Apoio de Janaína a Bolsonaro revela raízes fascistas do golpe

"Dois anos e dois meses depois do golpe, o apoio da advogada do impeachment a Jair Bolsonaro encerra um capítulo do processo político que derrubou Dilma Rousseff, instalou um grupo de aventureiros sem escrúpulos no Planalto e hoje organiza a entrega das riquezas do país ao império norte-americano", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "Imaginando que seria o grande beneficiário pela tragédia produzida numa democracia conquistada após imensas dificuldades, em seu oportunismo o PSDB empunhou a enxada que cavou sua sepultura e seus lideres tornaram-se dinossauros fora de combate"

Apoio de Janaína a Bolsonaro revela raízes fascistas do golpe
Apoio de Janaína a Bolsonaro revela raízes fascistas do golpe
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A gravidade do momento em que vivemos pode ser resumida pelos movimentos de uma personagem, a advogada Janaína Pascoal. Cumprindo uma trajetória didática, que apenas surpreende os mais ingênuos, a principal formuladora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, acaba de gravar um vídeo no qual declara apoio a Jair Bolsonaro, candidato presidencial que é a versão brasileira do fascismo e lidera todas as pesquisas de opinião quando Lula é excluido dos levantamentos.

Em 20 de abril de 2016, quando subiu a tribuna da Câmara para dar seu voto pelo afastamento de uma presidente eleita por mais de 51,4 milhões de brasileiros, o Bolsonaro fez uma declaração reveladora -- talvez uma das mais reveladoras daquela tarde terrível -- sobre o processo em curso no país:

"Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim", disse.

Na época, a declaração já causou escândalo e constrangimento. "Houve apologia a uma figura que cometeu tortura e também desrespeito a imagem da própria presidente", reagiu Felipe Santa Cruz, presidente da OAB/RJ, anunciando a disposição de pedir a cassação de Bolsonaro no STF porque "a apologia à tortura, ao fascismo e a tudo que é antidemocrático é intolerável".

Dois  anos e dois meses depois,  o apoio da advogada do impeachment a Bolsonaro encerra um capítulo do processo político que derrubou Dilma Rousseff, instalou um grupo de aventureiros sem escrúpulos nem remorsos no Planalto e hoje organiza a entrega das riquezas do país ao império norte-americano.

Hoje todos concordam que não havia, nunca houve e nunca ninguém acreditou seriamente na existência de qualquer prova jurídica para pedir o afastamento da presidente. O processo não respeitava as regras da democracia. Jamais se sustentou na prova de qualquer crime de responsabilidade. Era a política por outros meios -- espúrios, a margem do eleitorado. 

Formuladora da denúncia, Janaína produziu o pretexto jurídico para um processo político que quebrou  as instituições e jogou o país num abismo no qual banqueiros, empresários dos oligopólios de mídia e ministros do STF instituíram um governo próprio, dispensado de prestar contas aos brasileiros -- e que pretende resolver, às costas do eleitorado, quem pode e quem não pode disputar a presidência.

"O fascismo à espreita na reta final", escrevi neste espaço (18/10/2014), quando faltava uma semana para o segundo turno da eleição presidencial.  Não há dúvida de que este era o processo em curso: "a intolerância e o ódio  cresceram no Brasil como uma consequência inevitável de um movimento destinado a criminalização da política e dos políticos -- em particular do Partido dos Trabalhadores". Alguns exemplos daquele momento.

Ao oferecer postos de trabalho para profissionais da medicina em pontos miseráveis do Brasil, o programa Mais Médicos levantou a raiva de entidades corporativas do país inteiro. Eles formaram  um grupo de 100 000 internautas que, intitulado "Dignidade Médica", propunha castração de "nordestinos" e profissionais pouco qualificados, como  recepcionistas de consultório e enfermeiras. Militantes com a camisa do PT passaram a ser espancados nas ruas.

Fernando Henrique Cardoso sentenciava: "O PT está fincado nos menos informados, que concidem de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT. É porque são menos informados".

Imaginando que seria o grande beneficiário pela tragédia produzida numa democracia conquistada com muita dificuldade e inegáveis sacrifícios, o PSDB pagou R$ 40 000 para Janaína Pascoal alinhavar uma denuncia conveniente a seus propósitos de instalar-se no Planalto -- sem voto.

Deu errado, sabemos todos. Os tucanos não perceberam, mas em sua irresponsabilidade, seu oportunismo, chegaram ao ponto de empunhar a enxada que cavou a própria sepultura.

Embora não tenham sido "purificados", expressão de Janaína para se referir às masmorras da Lava Jato, Aécio Neves, José Serra, Aloysio Nunes Ferreira, tornaram-se dinossauros fora de combate. Geraldo Alckmin não sái do lugar, o que volta a atiçar João Dória. 

Nesse universo, Janaína Pascoal achou seu lugar ao lado de Bolsonaro.

Ninguém pode se mostrar surpreso, concorda?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247