Arthur Lira é, no momento, o maior avalista do genocida

"Até os jornalões chegam a uma conclusão óbvia: se o presidente da Câmara, Arthur Lira, continuar negando a abertura do processo de impeachment, ele se reafirma como o grande avalista do governo mortífero e corrupto de Bolsonaro", escreve o colunista Robson Sávio Reis Souza

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Arthur Lira
Jair Bolsonaro e Arthur Lira (Foto: Alan Santos/PR)


Até  os jornalões --  que representam os interesses das elites econômica e política do Brasil -- chegam a uma conclusão óbvia: se o presidente da Câmara, Arthur Lira, continuar negando a abertura do processo de impeachment, ele se reafirma como o grande avalista do governo mortífero e corrupto de Bolsonaro e, nesse caso, precisa ser responsabilizado. 

No último dia 1° de julho foi protocolado um superpedido de impeachment que apontava imputações de 23 crimes de responsabilidade contra Bolsonaro.

Listo, abaixo, dez infrações claramente praticadas e documentadas com imagens, declarações, lives, documentos e outras fontes, por Bolsonaro:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  1. Negligência com o direito à saúde da população (fartamente documentada pela CPI da Covid-19);
  2. Suspeita de negligência e/ou participação em atos de corrupção na compra de vacinas pelo Ministério da Saúde;
  3. Charlatanismo no incentivo ao uso de medicamentos ineficazes para tratamento da Covid-19;
  4. Exercício ilegal de profissão (por receitar medicamentos) em atos de governo;
  5. Participação em atos antidemocráticos;
  6. Incitação ao descumprimento de leis e decisões judiciais;
  7. Interferências abusivas em instituições de Estado;
  8. Ataques sistemáticos contra o Supremo Tribunal Federal;
  9. Levantamento de suspeitas infundadas de fraude eleitoral;
  10. Dezenas de atentados ao decoro exigido para o exercício do cargo.

Estas, entre outras infrações gravíssimas, configuram fartas razões jurídicas (e políticas) para que o presidente da Câmara coloque de lado os interesses politiqueiros  do "centrão" e inicie, tardiamente, o processo de impeachment de Bolsonaro. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o professor da PUC Minas Marcelo Campos Gallupo, autor do livro "Impeachment — O que é, como se processa e por que se faz", a jurisprudência do STF ampliou os poderes do presidente da Câmara na análise do início de um processo de impeachment, previstos na Lei 1.079/50. Assim, Lira pode rejeitar denúncias patentemente ineptas ou desprovidas de justa causa (materialidade delitiva e indícios de autoria).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em artigo publicado na Conjur, Galuppo informa que ainda assim "o presidente da Câmara não pode fazer um juízo político, de conveniência e oportunidade, sobre o mérito da denúncia. "Não existe, juridicamente, margem para que o presidente de Câmara faça essa análise política sobre se é conveniente ou não aceitar ou rejeitar uma denúncia", afirma o constitucionalista Luiz Fernando Gomes Esteves. "Uma vez que a denúncia apresente todas as formalidades, o presidente da Câmara deveria, sim, aceitá-la, e consequentemente formar a comissão para analisá-la", conclui.

No caso de Bolsonaro as denúncias são abundantes em materialidade delitiva e indícios de autoria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, é preciso que a pressão política e jurídica neste momento seja dirigida ao presidente da Câmara para que cumpra seu dever, sob pena de responder criminalmente pela sua omissão, negligência e cumplicidade com Bolsonaro e seus crimes.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email