As novas lideranças da esquerda ou a esquerda ainda

Como lhe disse Lula em SBC, Boulos tem um futuro brilhante pela frente, basta não desistir nunca e também não abandonar a base dos movimentos populares que possibilitaram o seu tão bem vindo surgimento

boulos lula
boulos lula (Foto: Alexandre Rangel)

Se havia alguma dúvida de que as novas lideranças da esquerda brasileira estavam reunidas naqueles lindos dias de resistência em São Bernardo do Campo, onde Lula dirigiu-se de maneira bem clara para aquelas pessoas que ele considera capazes de assumir o seu lugar na liderança popular no Brasil, a invasão/denúncia do triplex do Guarujá botou por terra.

A história e a vida seguem, e no caso brasileiro as duas parecem um eterno looping. Saímos e entramos dos períodos de exceção e o carro da montanha russa parece estar sem freio e ninguém no controle.

Lula está preso na sede da polícia federal de Curitiba, mesmo depois de todas as provas demonstrarem a sua inocência, o triplex não é e nunca foi dele e para agravar ainda mais a arbitrariedade cometida pela república de Curitiba, a tal reforma bilionária do triplex do Guarujá, graças á invasão do MTST e do povo sem medo, escancarou para todos que na verdade o tal apartamento do edifício Solaris na decadente cidade do Guarujá não passa de um “cafofo” surrado e sem graça nenhuma. Apartamento que muito provavelmente um funcionário de 2º escalão de qualquer empresa de grande porte não iria querer como seu, quanto mais um presidente da república.

Todos esses parágrafos anteriores foram utilizados como preâmbulo para dizer que um daqueles nomes agraciados por Lula no sindicato dos metalúrgicos durante o seu discurso de despedida, para avisar a todos que ali estavam, que iria se entregar para o Judge Mowro de Curitiba, é um dos articuladores da invasão do triplex, seu nome, Guilherme Boulos.

Boulos que iniciou sua carreira junto aos movimentos sociais no MTST e que nas eleições de 2018 já se colocou como pré-candidato á presidência pelo PSOL, mas que nunca deixou de defender a participação de Lula nesse mesmo pleito. É um dos líderes da frente popular de esquerda que pode vir a ser a nova esperança para aqueles que como Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai acredita que ser de esquerda é: “Uma posição filosófica perante a vida, onde a solidariedade prevalece sobre o egoísmo”.                                                                                  

José Mujica   Guilherme Boulos

Sem deixar dúvidas de qual é o seu lado na história, Boulos vem construindo uma liderança junto aos movimentos populares urbanos, que pode alçá-lo à condição de substituto inconteste de Lula, e, seguindo os passos do líder petista, Boulos demonstra a sua sintonia com as demandas populares, e passo a passo vai abrindo passagem e trazendo em sua fala a importância de se dar vez ás bases, conforme ele mesmo diz o modelo democrático atual está desmoronando, ainda mais, está obsoleto. 

Dessa forma, trás de volta à memória daqueles que viram o nascimento do Partido dos Trabalhadores, quando as bases e os movimentos populares tinham participação destacada nas decisões do partido, um gostoso saudosismo, com isso, Boulos consegue renovar o sistema democrático, pois, afinal, a democracia só pode ser verdadeira quando a participação popular não se restringe ao apertar de botões na urna eletrônica a cada quatro anos.

O PT nas suas primeiras administrações municipais colocou em prática a participação popular de maneira mais profunda quando além do orçamento participativo, havia núcleos de base onde à população era conclamada e incentivada a participar das decisões importantes, e até mesmo no dia a dia da administração da coisa pública (a respública).

Depois, com o crescimento do partido e das vitórias que foram se somando, o PT acabou se afastando de suas bases e causando a desmobilização popular, que acabou encontrando eco em outras organizações e assim surgiram nomes como: Stédile, Chico Mendes, Gilmar Mauro, Aurino Pedreira, Raimundo Bonfim e tantos outros. Nessa esteira é que Boulos encontrou espaço para desenvolver seu discurso e sua liderança.

Como lhe disse Lula em SBC, Boulos tem um futuro brilhante pela frente, basta não desistir nunca e também não abandonar a base dos movimentos populares que possibilitaram o seu tão bem vindo surgimento. 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247