As vozes negras e indígenas na encruzilhada civilizacional

"Essa é a riqueza na qual mergulhamos. Melhor ainda, só confirmam que a questão desses povos não é só do passado, mas também do presente e para o futuro"

www.brasil247.com - Indígenas ianomamis em Alto Alegre
Indígenas ianomamis em Alto Alegre (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


Há uma explosão de vozes negras e indígenas – masculinas e femininas – no mundo contemporâneo, o que constitui um fenômeno inovador. Uma das sugestões do Papa Francisco no Sínodo para a Amazônia é que tivéssemos a capacidade de ouvir a fala dos povos originários e tradicionais. Ele chega a afirmar no “Querida Amazônia” que, muitas vezes, a extinção de uma tradição cultural dessas, é tão ou mais prejudicial à humanidade que a extinção de uma espécie animal ou vegetal.

No ano passado passei a ler muito da literatura de autores indígenas,
ainda não encontrei textos ou livros de autoras indígenas. Claro,
acompanho com cuidado falas como a de Txai Suruí na ONU, ou das jovens mulheres indígenas que estão em diversos campos da sociedade no sentido de defender os interesses de seus povos. Às vezes tenho o
privilégio de ouvir diretamente mulheres como a cacique Lucélia
Pankará, de Itacuruba, Pernambuco. Sinto que grande parte das
esquerdas têm imensas dificuldades de assimilar esses pensamentos e
estilos de vida. São outras matrizes civilizacionais e elas não se
encaixam nos nossos esquemas mentais ocidentais já consolidados.

Ler e ouvir pessoas como Ailton Krenak, Davi Kopenawa, tantos outros e
outras, é entrar em outra leitura de mundo. Com eles e elas saímos da
entediante lógica ocidental, com seu raciocínio frio e distante do
resto da humanidade, principalmente os intelectuais orgânicos ao
capital. Essa é a riqueza na qual mergulhamos. Melhor ainda, só
confirmam que a questão desses povos não é só do passado, mas também do presente e para o futuro. “Aqueles que vivem nas bordas do
planeta”, na expressão fantástica de Ailton Krenak, têm muito a dizer
para a humanidade dominante nesse momento crucial da história humana na face da Terra.

Esse ano comecei lendo livros da literatura negra. O livro inicial foi
“Lugar de fala”, de Djamila Ribeiro. Ali estão citados vários autores,
principalmente autoras, que abrem um campo imenso para entender essas vozes negras, femininas, a partir de seu standpoint. Não sou muito de anglicismos, mas gostei da expressão. Ou, como diz Leonardo Boff,
“cada ponto de vista é a vista de um ponto”. Então, elas falam de seu
lugar na sociedade e na história. Como eu costumo dizer a respeito de
mim mesmo, “nós brancos nunca saberemos o que é ser pele negra ou
indígena nesse país chamado Brasil”. E vejo a repercussão dessas
reflexões até mesmo nas Pastorais Socioambientais, quando as mulheres
que fazem essas pastorais questionam os homens e seus companheiros
pela reprodução machista e discriminatória no âmbito da Igreja e das
próprias pastorais.

A humanidade consciente está buscando dois caminhos: os privilegiados
querem manter seus lugares e, mesmo sabendo que estamos indo ao
abismo, preferem seguir em linha reta, como ovelhas na direção do
despenhadeiro. Eles julgam que suas riquezas e poderio militar os
salvarão de um colapso global. Há outros, também conscientes, que ao
menos tentam “adiar o fim do mundo”. É nesse campo que estão tantos
pensadores e pensadoras do mundo indígena e negro.

Sou um homem branco que casou com uma mulher negra. Tivemos duas
filhas e dois filhos multicores. Com ela aprendi muito sobre as
sutilezas do racismo. Ela perdeu a vida para o Covid. Mas, eu quero
continuar ouvindo o que esses e essas pensadoras têm a nos dizer para
que “o céu não caia sobre nossas cabeças” e sobre a cabeça das
gerações futuras.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email