Atacar Lula como “estratégia eleitoral” é se rebaixar e rebaixar o nível do debate

"É humilhante, para quem quer ser presidente do Brasil, baixar a cabeça diante do marqueteiro e aceitar que suas propostas não servem para catapultá-lo nas pesquisas, e sim as críticas ao primeiro colocado", avalia a jornalista Cynara Menezes

www.brasil247.com - Ciro Gomes em vídeo que ataca Lula
Ciro Gomes em vídeo que ataca Lula (Foto: Reprodução)


Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena

Os adversários do PT dizem que o partido “não aprendeu” com tudo o que sofreu nos últimos anos – “mensalão”, golpe contra Dilma, prisão de Lula, derrota para a presidência em 2018… Mas estes mesmos adversários agora abraçam como “estratégia eleitoral” atacar o ex-presidente o tempo todo como forma de decolar nas pesquisas de opinião. Ou seja, em vez de divulgar ideias e propostas, rebaixam o nível do debate político com o mesmo antipetismo descerebrado que nos trouxe até aqui. Quem foi mesmo que não aprendeu a lição?

Focar campanha política em ataques ao melhor situado nas pesquisas é uma espécie de derrota antecipada da tal “terceira via”. Demonstra que seus candidatos não têm qualidade para enfrentar uma eleição de forma propositiva, colocando em evidência o projeto de país que defendem, para que o eleitor escolha o melhor. Quem está optando pelo ataque cotidiano a Lula rebaixa o debate e a si mesmo. É humilhante, para quem quer ser presidente do Brasil, baixar a cabeça diante do marqueteiro e aceitar que suas propostas não servem para catapultá-lo nas pesquisas, e sim as críticas ao primeiro colocado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde 2010, pelo menos, que nós, eleitores, assistimos à queda vertiginosa do nível na campanha eleitoral brasileira. Naquela época, com Dilma Rousseff, do PT, como a primeira mulher com chances de ganhar a presidência da República, seu adversário, o tucano José Serra, para agradar os evangélicos conservadores que hoje estão com Bolsonaro, partiu para a baixaria da acusação de “abortista” que acabaria se voltando contra ele.

Em 2014, o próprio PT usou uma estratégia demonizadora contra Marina Silva, enquanto Aécio Neves, do PSDB, lançou mão até de Cuba para atacar Dilma, narrativa que o bolsonarismo também iria copiar. Em 2018, Jair Bolsonaro levaria a baixaria política a outro patamar, ainda mais rasteiro, apelando às fake news como a “mamadeira de piroca” e ao anticomunismo rastaquera contra o PT.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2021, enquanto um aparentemente desesperado Ciro Gomes não pára de falar de Lula nem quando propõe “trégua”, outros candidatos da “terceira via”, como João Doria, Eduardo Leite e Luiz Henrique Mandetta, seguem à risca a receita marqueteira de centrar fogo no petista. “Esse antipetismo será predominante dentro da nossa campanha, com muita clareza”, disse Doria ao se inscrever nas prévias do PSDB, em setembro. “Bolsonaro é também resultado de uma política feita pelo PT”, afirmou Eduardo Leite –que votou em Bolsonaro em 2018. “Lula e Bolsonaro são a falência da sociedade”, disparou Mandetta, ex-ministro de… Bolsonaro.

Será que o povo se deixará seduzir por um candidato que fala mais de outro do que de si próprio? Não é humilhante descer tanto para tentar subir nas pesquisas? Nas redes sociais, seguidores de um presidenciável divulgam mais a foto de Lula com Eunicio Oliveira do que a foto ou as ideias do seu próprio candidato… Um político que já foi prefeito, governador, ministro de Estado, não tem mais o que mostrar a não ser ataques a Lula? Onde foi parar o orgulho, o amor próprio, desse pessoal?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E a questão mais importante: se rebaixar dessa forma vai mesmo surtir efeito eleitoral? As pesquisas mostram que não. Atacar Lula o tempo todo não parece estar dando resultados –ou Ciro já estaria em primeiro lugar e não com 6%. Segundo o Datafolha, a maior parte do eleitorado de Ciro, Doria e Leite tende a preferir o petista no segundo turno. Ora, se estes ataques nem sequer vão funcionar para alavancar suas candidaturas, está na hora de começar a pensar no Brasil e não em mais uma vez pavimentar o caminho para a extrema direita e depois fugir da raia dizendo ser “uma escolha difícil”.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email