CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Marcelo Zero avatar

Marcelo Zero

É sociólogo, especialista em Relações Internacionais e assessor da liderança do PT no Senado

364 artigos

blog

Ataque grave e preocupante

Comentários sobre o ataque de Israel à repartição consular do Irã em Damasco, por Marcelo Zero

Bandeira iraniana é vista enquanto fumaça sobe após o ataque israelense a um prédio próximo à embaixada iraniana em Damasco (Foto: REUTERS/Firas Makdesi)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

O atentado do governo de extrema-direita de Israel contra a repartição consular do Irã em Damasco, Síria, é algo muito grave.

Em primeiro lugar, porque ele afronta as normas internacionais, especialmente a Convenção de Viena sobre Relações Consulares, a qual prevê, em seu artigo 31º, a inviolabilidade das repartições consulares.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em segundo, porque ele tende a estender o conflito israelo-palestino para o Líbano e a Síria, com consequências imprevisíveis e perigosas. É algo que não deverá “passar em branco”.

Observe-se que, no ataque ao consulado, definido como “atentado terrorista” pela Síria e pelo Irã, morreram o Brigadeiro-General Mohammad Reza Zahedi, comandante sênior da Força Quds, e seu vice-general Mohammad Hadi Hajriahimi. O prédio inteiro foi destruído e a bomba causou muitos danos em edificações adjacentes.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O governo de extrema-direita de Israel, bastante isolado e acusado formalmente de genocídio na CIJ, parece estar querendo aprofundar o conflito e ocupar, de novo, o sul do Líbano, controlado pelo Hezbollah, grupo com fortes ligações com Teerã.

Netanyahu aposta na guerra para permanecer no poder. Parece não ter limites. Sequer segue as recomendações de seu principal aliado, os EUA. Vai até mesmo censurar ou proibir mídias que não lhe são favoráveis, como a Al Jazeera.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

São necessárias firme condenação internacional e ações para se evitar o pior.

Lembramos que não é a primeira vez que embaixadas e consulados se tornam alvos de guerra.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em 1999, durante a intervenção da Otan na então Iugoslávia, a embaixada da China em Belgrado foi bombardeada, ocasionando a morte de três funcionários e ferindo vinte outros.

Mais recentemente, quando do início do conflito na Ucrânia, a China lembrou do episódio.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Com efeito, em 2022, a representação diplomática da China na União Europeia rejeitou o pedido da Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan) para "condenar claramente" a invasão russa da Ucrânia.

Segundo o porta-voz daquela representação:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"O povo chinês pode se relacionar plenamente com as dores e sofrimentos de outros países porque nunca esqueceremos quem bombardeou nossa embaixada na República Federal da Iugoslávia”.

Acrescentou, ainda, que:

"Não precisamos de palestras sobre justiça do abusador do direito internacional. Como remanescente da Guerra Fria e a maior aliança militar do mundo, a Otan continua a expandir seu escopo geográfico e alcance de operações. Que tipo de papel desempenhou na paz e estabilidade mundiais? A Otan precisa ter uma boa reflexão".

Reflexão que não veio e, aparentemente, jamais virá, acrescentamos. Isso vale também para Netanyahu.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO