Até onde vai a individualidade de uma pessoa e onde começam os interesses coletivos?

“Neste diapasão é que ganha importância o termo sincretismo. É nele que se molda a cultura da tolerância", analisa o presidente do Tribunal de Contas do Município de São Paulo, João Antonio

(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Há milhares de anos a humanidade tem buscado responder a este questionamento. No fundo, o equilíbrio entre o “eu” e o “nós”, elemento fundamental para se alcançar a sonhada harmonia social, está posto como um desafio permanente para a humanidade. E como a história não caminha em linha reta, a tortuosa marcha de homens e mulheres segue se equilibrando nas contradições, modelando atitudes e construindo novos conceitos. Homens e mulheres seguem seus percursos e, cada um a seu modo, com suas idiossincrasias, seus talentos e suas expectativas buscam, à sua maneira, um caminho para a sua felicidade.

No que se refere às expectativas individuais, qualquer juízo de valor é relativo. As probabilidades, uma vez transformadas em metas, acabam por guiar o futuro dos indivíduos e são elas que estimulam a marcha da história. Quero dizer: não se mede e, por consequência, não se valora aquilo que ainda não existe.

Por outro lado, como a história é contada com base em coisas, fatos e interpretações e como o inexistente é imensurável, as expectativas – aquelas transformadas em metas – têm peso relativo: quase não influenciam as interpretações históricas.

A pergunta é: o que movimenta a roda da história, o já feito ou a expectativa?

Sim, sem sombra de dúvidas, são as expectativas que movimentam a marcha da humanidade. O já concretizado pertence à história, mas não faz história.

Por decorrência, a resposta ao questionamento acima nos faz pensar sobre suas consequências. Se é verdade que as expectativas transformadas em metas estimulam a marcha da história, então a composição entre desejos individuais e desejos coletivos é uma espécie de antessala da harmonia social. Em outras palavras, as expectativas individuais quando não sintonizadas com o projetado para todos (coletividade) acaba por aguçar os conflitos sociais, neste caso a soma das parte acaba por não formar um todo.

Esta questão – metas individuais x expectativas coletivas – vista de um outro ângulo, porém com o mesmo prisma social, nos leva à seguinte reflexão: sobrepor o interesses coletivos aos interesses individuais de forma absoluta, ou seja, sufocar as individualidades argumentando a supremacia dos interesses coletivos, via de regra resultante de comportamentos autoritários – conduziu a humanidade ao caos. Exemplos: Alemanha Nazista, Itália facista, Chile ditatorial, Rússia stalinista, Brasil de 1964 – para ficar em alguns exemplos.

É claro que não estamos aqui a falar de qualquer expectativa. Estamos falando daqueles desejos ou posturas que se relacionam com o todo social. Por exemplo: posturas racistas, a ambição material desmedida, misoginia, intolerância religiosa, ideológica etc. Enfim, trata-se de todos aqueles temas que se relacionam com a vida em sociedade – é isso que importa.

Neste diapasão é que ganha importância o termo sincretismo. É nele que se molda a cultura da tolerância – síntese de diferentes elementos que possuem sua origem em pontos de vista, teorias filosóficas, religiosas ou visões de mundo distintas – é nela que se constrói o equilíbrio estável entre expectativas individuais e necessidades coletivas.

Então podemos afirmar como principal tarefa do Estado – aqui entendido como principal instrumento de coesão social – não só dar um sentido coletivo às criações humanas e produtos da natureza – mas também organizar as expectativas dos seus indivíduos, dando-lhes oportunidades de consorciá-las às potencialidades de toda a sociedade.

Neste tempos difíceis que vive a humanidade, período em que a intolerância em seu sentido amplo tem conduzido indivíduos e entidades diversas com repercussão importante na política, minha principal expectativa é que o Brasil possa buscar o seu equilíbrio estável. Estabilidade que só será viável quando as dúvidas forem ponto de partida das certezas; quando as perguntas não incomodarem as respostas e quando o hoje não ofuscar o amanhã.

Portanto, seguimos, todos os democratas, buscando fazer com que todas as potencialidades individuais deságuem nas correntes águas coletivas rumo a um mundo mais fraterno, onde termo igualdade não soe apenas como um “chavão” (frase que se repete abusivamente) – um clichê – ou um termo apenas para o mundo dos utópicos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email