Biografia do Moro é uma extensa ficha criminal

"Não se pode aceitar que Moro continue sendo incensado pela Rede Globo e seus seguidores como um herói. Moro não é um herói; ele é um bandido e chefe de uma organização criminosa que corrompeu o sistema de justiça do Brasil, mergulhando-o no precipício fascista", escreve o colunista Jeferson Miola

Sérgio Moro
Sérgio Moro (Foto: Marcos Correa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Durante todo período da Lava Jato em que Sérgio Moro atropelou direitos, cometeu abusos, perpetrou ilegalidades, interferiu e coordenou indevidamente a atuação do Ministério Público Federal [MPF] e da Polícia Federal, atuou como acusador e juiz, corrompeu o sistema de justiça para tirar Lula do jogo político e favorecer a eleição da extrema-direita fascista, ele estava protegido pela imunidade do cargo, pela proteção corporativa e pela mídia capitaneada pela Globo.

Não foram poucos os questionamentos a estes abusos e ilegalidades barrados no CNJ, no STJ ou no STF.

Como ministro da Justiça, a cujo ministério a Polícia Federal está vinculada, Sérgio Moro também praticou ilicitudes em série.

Ele se omitiu, prevaricou em muitas situações, ameaçou destruir provas e abafou inquéritos por interesses bolsonaristas e do seu projeto de poder pessoal e partidário-lavajatista – aqui um breve inventário.

Mas, como ministro de Estado, Moro também contou com imunidades e proteções que dificultaram o questionamento judicial e o julgamento adequado dos seus atos nas instâncias do judiciário.

Agora, sem ocupar nenhum cargo público, é a primeira vez que Moro ficou numa “janela” sem imunidades especiais e sem foro privilegiado.

Este é o momento propício, portanto, para promover-se ações judiciais em série contra Moro nas instâncias iniciais da justiça.

Assim ele finalmente terá a oportunidade de responder, em tantas quantas forem as ações promovidas contra ele, pelos atos e ilícitos praticados contra direitos individuais e contra a ordem política e social.

Não é preciso aguardar uma justiça de transição para se estabelecer a verdade dos fatos para punir aqueles criminosos que perverteram e corromperam o sistema de justiça e impuseram um Estado de Exceção no país.

Moro, assim como os demais integrantes da facção criminosa da qual ele faz parte, como Gilmar Mendes denomina a Lava Jato, são responsáveis primordiais pela hecatombe econômica, política e social do Brasil, e devem ser imediatamente julgados e punidos pelos arbítrios e crimes perpetrados contra pessoas, contra organizações políticas e sociais e contra o Estado de Direito.

Não se pode aceitar que Moro continue sendo incensado pela Rede Globo e pelos seus seguidores fanáticos e delirantes como um herói.

Moro não é um herói; ele é um bandido e chefe de uma organização criminosa que corrompeu o sistema de justiça do Brasil e mergulhou o Brasil na barbárie e no precipício fascista.

A biografia do Moro é uma extensa ficha criminal.

É hora de começar escrever a biografia de Moro com uma avalanche de ações judiciais para responsabilizá-lo pelos crimes que cometeu na sua trajetória de militante da extrema-direita fascista que usurpou as funções públicas para fins pessoais e partidários espúrios.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247