Boicote e sanções da Europa contra a Rússia: ou, quando o tiro sai pela culatra

"O inacreditável nesta história é que a Rússia é o país que vem sendo alvo do mais violento boicote já aplicado a alguma nação"

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


No domingo passado (04/09/2022), o chanceler alemão, Olaf Scholz, fez uma dura declaração acusando a Rússia de ser um exportador não confiável, ao não garantir o suprimento de gás à Europa no volume estipulado nos contratos firmados.

O inacreditável nesta história é que a Rússia é o país que vem sendo alvo do mais violento boicote já aplicado a alguma nação, sofrendo sanções avassaladoras em todas as áreas de atividades, e que foi vítima de um confisco (roubo) de mais de 300 bilhões de dólares de suas reservas internacionais.

Agora, o dirigente alemão acusa a Rússia de provocar o caos na Europa ao não fornecer o gás e o petróleo suficientes para garantir a tranquilidade da vida social e econômica europeia. Pode soar como um descarado deboche, mas esta tem sido a tradição do comportamento do imperialismo desde sempre. A atitude de Olaf Scholz neste caso está plenamente afinada com o que os países imperialistas vêm praticando há séculos.

Conforme já nos ensinava Lênin, uma das razões que levam os países do capitalismo central a expandir sua exploração imperialista às nações periféricas é o interesse em preservar um nível de estabilidade interna que impeça o surgimento de sobressaltos que coloquem em risco a hegemonia do poder do próprio capital. Por isso, o saque e a espoliação das riquezas dos países subjugados permitem que as burguesias imperialistas tenham condições de oferecer às classes trabalhadoras de seus países um nível de vida um pouco mais satisfatório a ponto de mantê-los apaziguados e sem disposição para se confrontar com as bases estruturais do sistema.

Quando tomaram a decisão de desfechar contra a Rússia seu plano de boicote e sanções, os dirigentes dos países da OTAN, provavelmente, acreditavam que, em pouco tempo, o caso estaria resolvido e a ousadia dos russos ao desafiar suas diretrizes expansionistas seria exemplarmente punida.

No entanto, a maneira como o governo russo decidiu enfrentar o desafio surpreendeu as lideranças ocidentais. Em lugar de aceitar cabisbaixo as afrontas que lhe estavam sendo impostas, a Rússia resolveu fazer com que os europeus ocidentais sentissem na pele as dores que eles costumam impingir aos povos que eles subjugam. E é por isso que agora os líderes da Europa Ocidental estão apavorados. A revolta das massas populares que eles desejavam ver acontecer na Rússia está em vias de acontecer em seus próprios quintais.

O vídeo que estamos trazendo em associação com este texto tem um grande valor didático a respeito da questão que estamos abordando. Portanto, considero de muita utilidade vê-lo com atenção e tratar de refletir sobre seu conteúdo. Para torná-lo compreensível a um maior número de brasileiros, fiz a tradução ao português e providenciei as legendas. Oxalá ele sirva aos objetivos de clarear nossa mente frente aos grandes desafios que estamos enfrentando em tempos presentes.

O link de acesso ao vídeo é: https://www.youtube.com/watch?v=tSrNrJnBnxc

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247