Bolsonaro anuncia que guerra com Dória não acabou

"Bolsonaro cancelou a compra. E ainda afirmou que não dialoga com Dória sobre covid-19. Ou seja: sempre que houver notícia de que Bolsonaro fez alguma coisa boa, é bom desconfiar. E também jamais esquecer que esse governo é uma bagunça sem fim", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

João Doria e Jair Bolsonaro
João Doria e Jair Bolsonaro (Foto: GOVSP | Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

É duro escrever sobre política nos dias atuais. Ontem pela manhã escrevi que Bolsonaro boicota a vacina chinesa por duas razoes: por ser da China e por ser “do Dória”. Mas, meia hora depois de eu publicar isto chegou a notícia de Brasília de que o governo resolveu comprar 46 milhões de doses da vacina chinesa e do Dória. Não havia dúvida a respeito. Quem anunciou foi o ministro da Saúde. Diante disso, convencido de que Pazzuello não tomaria essa decisão se Bolsonaro não estivesse de acordo, corri para o computador para desmentir o que eu mesmo tinha escrito. Bolsonaro voltou atrás, vai comprar a vacina do Dória, percebeu que vacina quanto antes e quanto mais melhor, que isso seria bom para a saúde dos brasileiros e da economia, e até para sua reeleição. Mas eis que agora há pouco veio o desmentido. Bolsonaro cancelou a compra. E ainda afirmou que não dialoga com Dória sobre covid-19. Ou seja: sempre que houver notícia de que Bolsonaro fez alguma coisa boa, é bom desconfiar. E também jamais esquecer que esse governo é uma bagunça sem fim.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247