Bolsonaro é sádico como os tiranos de Shakespeare

Jair Bolsonaro se diz Johnny Bravo, porém "está mais para Ricardo III, um dos tiranos retratados dessa maneira por William Shakespeare", afirma Alex Solnik, do Jornalistas, citando características como "autoestima ilimitada; tendência a violação da lei; prazer em infringir dor"; e "patologicamente narcisista"

(Foto: Isac Nóbrega - PR)

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Não, ele não é o babaca, mimado, egocêntrico, inconveniente, mas inofensivo Johnny Bravo; está mais para Ricardo III, um dos tiranos retratados dessa maneira por William Shakespeare: “autoestima ilimitada; tendência a violação da lei; prazer em infringir dor; desejo compulsivo de dominar; patologicamente narcisista; supremamente arrogante; espera lealdade absoluta, mas é incapaz de gratidão”.

“Os sentimentos dos outros não significam nada para ele. Ele não tem graça natural nem senso de humanidade compartilhada nem decência” completa Stephen Greenwald, autor do livro ‘Tirano: Shakespeare sobre política”, professor de Harvard e um dos maiores especialistas no dramaturgo mais encenado no mundo até hoje.

Ele não está falando de Jair Bolsonaro, mas é como se estivesse. O atual presidente da República poderia ser um tirano de Shakespeare.

O livro, ainda sem tradução em português foi lido “em uma tacada só durante um voo longo há alguns meses” por Thiago Amparo que o cita em artigo na edição de hoje da “Folha de S. Paulo”.

“Quem nos salvará”? pergunta Amparo e ele mesmo responde por meio de Greenblatt, que afirma, citando Macbeth que “em tiranias há aqueles que habitando o círculo do poder percebem a loucura de seu governante”.

Para Greenblatt, “Shakespeare acreditava que os tiranos acabariam fracassando, derrubados por sua própria maldade e por um espírito popular de humanidade, que poderia ser suprimido, mas nunca completamente extinto”.

Quem bom seria se ele fosse apenas um Johnny Bravo.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

Jair no divã de Freud

O cartunista Miguel Paiva encena uma improvável ida de Bolsonaro a um divã de psicanalista - e, nada mais nada menos, que ao maior dos psicanalistas, Sigmund Freud: "Freud - O senhor está sendo...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247