Bolsonaro é sintoma. Doença mesmo é a direita concursada

Não custa desejar. Na virada do ano quase todo mundo, para além dos genéricos votos de felicidade e prosperidade, manifesta um ou mais desejos concretos, específicos. Eu tenho um. Daqueles de difícil realização, mas o desejo é livre

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Não custa desejar. Na virada do ano quase todo mundo, para além dos genéricos votos de felicidade e prosperidade, manifesta um ou mais desejos concretos, específicos.

Eu tenho um. Daqueles de difícil realização, mas o desejo é livre.

Escandalizado com a quantidade de gente no meu feice desejando um 2020 sem Bolsonaro, como sou esquisito, não sublimarei meu desejo de que percebam que Bolsonaro é sintoma, a enfermidade é mais complexa.

Poderia mencionar diversas dimensões do problema. Ficarei em apenas um. A obsessão pela judicialização. É compreensível. O Brasil é o país com maior número de bacharéis em direito. E médicos, engenheiros, sociólogos, profissionais de todas as áreas pensam que podem dar “abalizadas opiniões jurídicas” sobre qualquer tema. Essa mania se tornou epidêmica. Tudo é judicializado. Incompetentes com iniciativa vão ao Judiciário postular a proibição dos insultos do véio da Havan nas praias catarinenses, demandam que a música gospel seja banida das celebrações públicas em Copacabana, tentam impedir a tramitação de projetos polêmicos no parlamento, etc, demonstrando inadmissível confiança no bom-senso dos magistrados. Até as capivaras do Parque Barigui sabem de que madeira são feitos os juízes e ainda assim insistem, sem se preocupar com a óbvia possibilidade de conseguirem legitimar aquilo que pretendiam evitar com suas iniciativas judiciais. Negada a liminar o véio da Havan está agora autorizado pelo juiz a subir o tom nos insultos, os evangélicos dão graças a deus por poderem ouvir, histéricos, a louvação musical na virada do ano, os parlamentares ficam legitimados a atender os desígnios do mercado. Quando se vai ao Judiciário o resultado atende à lógica binária. Obtida a liminar, cessam os efeitos. Negada, resta autorizada a continuidade daquilo que se pretendia evitar. Evidente.

Caso se materializassem os desejos de “2020 sem Bolsonaro” o que mudaria? Poderia esticar o argumento, mas meus argutos feiceamigos não precisam de maiores esforços didáticos de minha parte.

Para ficar no mesmo tema: se Bolsonaro deixar de ser presidente o Judiciário continuará sendo o que é, o Ministério Público continuará se metendo onde não deve, as polícias continuarão arbitrárias e autoritárias, o aparato repressivo a serviço do capital e da ideologia neoliberal continuará operando como vem atuando desde as vésperas do Golpe de 2016.

Como o desejo ainda é livre, verbalizo o meu: que em 2020 o seleto grupo de meus feiceamigos se convença de que o maior, mais evidente e mais pernicioso, inimigo da democracia e dos interesses da maioria da população é a Direita Concursada, principalmente a que ocupa cargos no aparato repressivo do Estado. E, exagerando no direito de desejar, que neste ano a consciência de quem é inimigo imediato a ser combatido iniba iniciativas abestalhadas de recorrer aos juízes na tentativa de resolver questões que jamais deveriam ser judicializadas, pelo menos não com esse Judiciário que temos.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247