Bolsonaro nega a política e será negado por ela

Sob a alcunha de "velha política", o presidente se lança contra os pontos fundamentais do sistema político. Ocorre que não há vida democrática fora dos limites da política, entendida como o campo da deliberação e da transformação do mundo pelos sujeitos políticos

Bolsonaro nega a política e será negado por ela
Bolsonaro nega a política e será negado por ela (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

As instituições jurídicas e políticas são parte fundamental do processo de sustentação da democracia. Por isso, devem ser fortalecidas permanentemente pelos cidadãos e, principalmente, pelos agentes públicos. Nesse sentido, negar a política e desqualificar o judiciário, como tem feito o presidente Jair Bolsonaro, tem o potencial de enfraquecimento democrático e até mesmo de colapso das instituições.

Isso porque as instituições democráticas não são capazes de manter sozinhas aquilo mesmo que elas representam, isto é, a democracia. Além disso, é preciso que os agentes públicos se comprometam com princípios democráticos mínimos, a fim de que a Constituição, por exemplo, seja defendida. E, mesmo que haja divergências culturais e ideológicas entre as lideranças político-partidárias, é importante que se encontrem formas de coexistência democrática na esfera pública.

Nesse sentido, trata-se de privilegiar a tolerância mútua entre os indivíduos que participam do processo político, além de compreender as rivalidades provenientes da natural divergência de ideias como parte importante do bom ordenamento democrático. O que se viu até aqui, contudo, é que Bolsonaro e seus ministros atacam, ao mesmo tempo, o sistema político e a democracia. Sob a alcunha de "velha política", o presidente se lança contra os pontos fundamentais do sistema político. Ocorre que não há vida democrática fora dos limites da política, entendida como o campo da deliberação e da transformação do mundo pelos sujeitos políticos.

Os constantes ataques à imprensa, a contestação de fatos históricos, a histeria anticomunista, a criminalização dos movimentos sociais e a desqualificação dos partidos de oposição são apenas alguns dos muitos exemplos da estratégia de Bolsonaro para negar a política. Trata-se de uma aposta do presidente na tensão permanente e no revisionismo histórico como armas políticas. Falta a Bolsonaro, no entanto, compreender que a esfera pública é também o reino do discurso, da divergência política e do respeito mútuo entre seus integrantes.

A falta de compromisso público de Bolsonaro com as instituições democráticas e com os direitos constitucionais revela que fracassamos quando elegemos um presidente cujas atitudes diante dos instrumentos democráticos se mostram ambíguas e errantes. Mas os valores democráticos, embora frágeis, são maiores do que os anseios autoritários de alguns poucos representantes políticos. Ao negar a política, nesse sentido, Bolsonaro parece não perceber que seu revés se anuncia muito mais rápido do pensávamos há apenas alguns meses. Ele também será negado pelas forças democráticas.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247