Bolsonaro, racismo nos EUA e Hitler

Uma postagem nesta semana de Bolsonaro é abertamente fascista, assim como muitas sinalizações do governo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Uma postagem nesta semana de Bolsonaro é abertamente fascista, assim como muitas sinalizações do governo, intensificadas com o período de pandemia, indiferente ao drama de mais de 25 mil mortes no Brasil. 

O post, no caso, é um vídeo de um senhor estadunidense, datado de 2008. Depois de tecer uma série de ideias meio incompreensíveis, ele chega ao ponto que interessa, saca uma espingarda no meio da palestra e diz que vai lutar por alguma liberdade. Sabemos de qual liberdade ele está falando e contra quem. 

Um fascismo atualizado e mascarado de ideologia estadunidense. 

Noam Chomsky já escreveu sobre como a repressão organizada pelos EUA na Guatemala, país da América Central, nos anos 70 e 80, contou com o acúmulo de técnicas aprendidas com os nazistas. Já o pensador italiano Domenico Losurdo acerta em cheio quando mostra a influência mútua entre o Reich de Hitler e o imperialismo nascente estadunidense. Ambos contavam com o aspecto do discurso de perseguição racial. Hitler buscava se livrar dos povos do Leste Europeu e expandir-se naquele direção. Losurdo compara as ideias do Reich ao genocídio e expansão do império nascente em território indígena e da brutal escravidão do país americano, fundado em nome da “liberdade”. Os discursos e os propósitos se assemelham. E, nesta semana, quando o mundo viu com pavor o assassinato de George Floyd, homem negro, vítima da violência policial, no estado de Minnesota, nos Estados Unidos, é mais um fato para mostrar que o racismo e a perseguição, na prática e na ideologia, seguem legitimados. Abordado sem qualquer motivo, imobilizado no chão, ele foi sufocado até a morte por um policial branco. 

É essa “liberdade” de que trata agora Bolsonaro. 

O sociólogo Florestan Fernandes, no livro “O que é revolução” alertava para a questão de palavras e conceitos estarem em disputa entre as classes dominantes e as classes oprimidas. 

No caso, sabemos então de que liberdade está falando Bolsonaro, baseado na experiência estadunidense. A liberdade de expansão e morte em territórios demarcados, indígenas, quilombolas, de proteção ambiental, sob liderança do agronegócio. A liberdade de pressionar a vontade os outros poderes. A liberdade de avançar em um projeto neofascista no Brasil. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email