Bolsonaro: um governo em debandada

"O desmonte da equipe de Guedes é o sinal visível de um neobolsonarismo que pode rachar a direita", escreve o jornalista Rodrigo Vianna, apresentador da TV 247

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)


Num dia, a Globo abre largo espaço para "reportagem" baseada em estudos do Instituto Millenium: o material defende sem meias palavras a redução do peso do Estado e do funcionalismo público no Brasil. Trata-se de evidente reforço à agenda ultraliberal de Paulo Guedes (que, por sinal, foi um dos fundadores do Instituto mantido pelas organizações Globo e por outros empresários de direita).

No dia seguinte, dois dos principais assessores de Guedes (Sallim Mattar e Paulo Uebel) pedem o boné e vão embora. São dois extremistas, dois ideólogos do Estado mínimo. De forma surpreendente, Guedes em pessoa vai à TV e confirma o que chamou de "debandada".

Não se trata de coincidência, mas de um rearranjo de forças na direita brasileira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Jair Bolsonaro prepara -  com o auxílio do Centrão, dos ministros pragmáticos Tarcísio de Freitas e Rogerio Marinho, além do núcleo militar - um giro que pode enterrar a agenda liberal de Guedes: investimento público pesado e Renda Basica para os mais pobres parecem as únicas saídas para estabelecer uma ponte que permita ao governo chegar vivo a 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Paulo Guedes sentiu cheiro de fritura e quer sair por cima: quase sorriu ao falar na "debandada" dos fanáticos neoliberais Mattar/Uebel. Era um misto de chantagem e alívio: "Bolsonaro, o próximo a debandar serei eu, você quer mesmo experimentar mais essa instabilidade em meio à pandemia?"

A Globo lançou a bóia para Guedes, um dia antes, com a matéria millenarista no JN: na pior das hipóteses, mantem um aliado fiel à frente da Economia, ainda sob Bolsonaro; na melhor hipótese, no caso da saída do postopiranga, os Marinho e seus asseclas selam a aliança com Guedes e levam a "agenda liberal" para o bloco alternativo de centro-direita, que tentam construir para enfrentar Bolsonaro nas urnas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estamos muito perto de ver nascer um neobolsonarismo. O presidente é tosco, mas não é burro: 

precisa acabar com o teto de gastos e fazer programa de renda mínima permanente, para segurar 30% a 35% de apoio. 

Isso os liberais nao topam. A direita fanática liberal aceita tranquilamente 100 mil mortos. Mas não topa furar o teto pra salvar vidas e empregos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Guedes chegou a dizer que furar o teto é o caminho para Bolsonaro transitar para o impeachment. É caso raro de subordinado que ameaça o chefe. Nada como ter o apoio da Globo. 

O governo tinha três pernas em janeiro de 2019: conservadorismo neofascista / lavajatismo hipócrita e antipolítica / neoliberalismo antiEStado. 

A segunda perna foi amputada, com a saída de Moro e a incorporação do Centrão.

A perna neoliberal está necrosada, e cloroquina não vai resolver. O compromisso de tolerar os abusos extremistas de carluxos e olavos, em nome da agenda liberal, parece estar com os dias contados.

Restará a Bolsonaro um conservadorismo (quase) estatizante, com Centrão/Militares... Será um governo em debandada, em meio a mais de 100 mil mortes, sem ministro de Saúde e com a economia em frangalhos. 

Mandetta, Moro e agora Guedes: o trio de ferro do liberalismo/lavajatismo rompe com o chefe fascista e se aninha sob o partido da direita, organizado pela família Marinho.

A equação parece ser essa.

Bolsonaro não recua nunca. Seguirá a avançar, deixando os feridos pelo caminho. Caberá à Globo usar a padiola do JN para recolher os corpos do neoliberalismo no campo de batalha. Sim, para tristeza de Miriam Leitão, o projeto fracasa pela terceira vez (Collor/Zelia, FHC/Armínio e Bolsonaro/Guedes).

As contradições entre os dois blocos de direita se acentuam e abrem mais possibilidades para a centro-esquerda, que poderá incorporar talvez setores menos radicalizados da centro-deireita (no que restou do mundo partidário conservador, na academia, no mundo empresarial e Jurídico há quem tope conversar com o lulismo; mas são setores minoritários).

Não devemos ter ilusões. Um governo em debandada, mas com 30% de apoio, é capaz ainda de causar muito estrago. 

A caneta na mão sempre vale muito. A caneta somada a soldados armados ou não e aos grupos de whatsapp valem muito mais. Talvez deixem o JN e o Instituto MIllenium no chinelo.

A debandada será longa, triste, sangrenta e dolorida.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email