Brasil nunca mais

Lamenta-se que o analfabetismo histórico reivindique irresponsavelmente a volta ao poder dos que têm as digitais de crimes contra a humanidade. O que dizer às famílias que perderam seus entes queridos nos porões da insanidade do regime militar?

Lamenta-se que o analfabetismo histórico reivindique irresponsavelmente a volta ao poder dos que têm as digitais de crimes contra a humanidade. O que dizer às famílias que perderam seus entes queridos nos porões da insanidade do regime militar?
Lamenta-se que o analfabetismo histórico reivindique irresponsavelmente a volta ao poder dos que têm as digitais de crimes contra a humanidade. O que dizer às famílias que perderam seus entes queridos nos porões da insanidade do regime militar? (Foto: Henrique Matthiesen)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As contemporâneas gerações não coexistiram num tempo em que discordar era sinônimo de tortura, assassinato, perseguição. Sim, tivemos uma ditadura que cometeu crimes hediondos contra os brasileiros e brasileiras.

Incautos ignorantes aqueles que vituperam a memória dos que tombaram nos porões da ditadura. Ao pedirem a volta dos militares demonstram o grau de nossa patologia.

Os semeadores de intolerância no Brasil agem irresponsavelmente numa cruzada bestial de retrocessos de direitos fundamentais, em especial, sobre a dignidade da pessoa humana.

É urgente relembrarmos o que eram e o que faziam: o DOI-CODI, os atos institucionais, ou melhor, o que era pau-de-arara, cadeira do dragão, choque elétrico, entre outras barbaridades, que os militares usaram contra seus opositores.

Insultar a memória dos que ousaram sonhar com democracia, com liberdade, é um ato desesperado daqueles que não têm voto, dos que não têm propostas, dos que não têm consciência política, dos que são incivilizados, e não sabem o valor da democracia.

Ressalta-se neste momento de obscurantismo que foi o regime militar que pariu figuras como Paulo Maluf, Antonio Carlos Magalhães, José Sarney, dentre outros arautos, de nossa imoralidade.

Na corrupção, sob a proteção da censura e do medo, os crimes praticados efetivavam-se em todas as esferas de poder - municipal, estadual e federal-; obras como a construção da Ponte – Rio- Niterói, a Ferrovia do Aço, a Transamazônica, a usina nuclear de Angra dos Reis, entre outras, têm as digitais da farra do dinheiro público.

Lamenta-se que o analfabetismo histórico reivindique irresponsavelmente a volta ao poder dos que têm as digitais de crimes contra a humanidade.

O que dizer às famílias que perderam seus entes queridos nos porões da insanidade do regime militar?

Como justificar os estupros contra meninas, o desaparecimento de cidadãos brasileiros, os choques elétricos, as valas comuns ?

Deplorável primitivismo dos que vislumbram essa possibilidade alienada.

Não conseguem perceber que o mundo mudou, e que não é mais possível termos um país, com as dimensões e importância do Brasil, ser dirigido por uma ditadura como a que tivemos com os militares.

Resgato a célebre frase de Dom Paulo Evaristo Arns, neste momento de inflexão: "Deus nos preserve de males semelhantes àqueles que tivemos de suportar".

Afinal esse Brasil medieval, nunca mais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247