Brazilgate está se transformando no Russiagate 2.0

"Era um vazamento, não um hack. Sim: Brazilgate, lançado por uma série de bombas revolucionárias publicadas pela The Intercept, pode estar se transformando em uma Russiagate tropical", diz o jornalista Pepe Escobar, que aponta o "cerne da questão do Brazilgate: como o Brasil é o prêmio mais cobiçado na narrativa mestra estratégica que condiciona tudo que acontece no tabuleiro de xadrez geopolítico em um futuro previsível - o confronto sem barreiras entre os EUA e a Rússia-China". "O Estado dos EUA pode estar cumprindo pelo menos parte do objetivo final: usar o Brasil em sua estratégia Divide et Impera de dividir a parceria estratégica Rússia-China"

(Foto: Marcelo Camargo - ABR)

Tradução para o 247: Ricardo Sturmer

Era um vazamento, não um hack. Sim: Brazilgate, lançado por uma série de  bombas revolucionárias publicadas pela The Intercept, pode estar se transformando em uma Russiagate tropical.A Garganta Profunda do Intercept - uma fonte anônima - finalmente revelou em detalhes o que qualquer um com metade do cérebro no Brasil já sabia: que a máquina judicial / de lei da investigação unilateral da lava jato era de fato uma farsa maciça e um negócio criminoso empenhado em realizar quatro objetivos.

· Criar as condições para o impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016 e a subsequente ascensão de seu vice, manipulador de elite, Michel Temer.

·  Justificar a prisão do ex-presidente Lula em 2018 - assim como ele estava pronto para vencer a mais recente eleição presidencial como uma avalanche. 

· Facilitar a ascensão da extrema-direita brasileira via recurso Steve Bannon (ele o chama de “capitão”) Jair Bolsonaro.

· Instalar o ex-juiz Sergio Moro como ministro da Justiça com esteroides capazes de promulgar uma espécie de Patriot Act brasileiro - pesado em espionagem e leve em liberdades civis.

Moro, lado a lado com o promotor Deltan Dallagnol, que liderava a 13ª força-tarefa do Ministério Público, são as estrelas vigilantes da briga dos serviços de justiça. Nos últimos quatro anos, a mídia brasileira hiperconcentrada, debatendo-se em um pântano de notícias falsas, glorificou esses dois como heróis nacionais dignos do Capitão Marvel. Hubris finalmente alcançou o pântano.

Os bons companheiros brasileiros
O Intercept  prometeu liberar todos os arquivos em sua posse; bate-papos, áudio, vídeos e fotos, um tesouro supostamente maior que o de Snowden. O que foi publicado até agora revela Moro / Dallagnol como um duo estratégico em sincronia, com Moro como capo di tutti i capi , juiz, júri e carrasco em um só - repleto de invenções em série de provas. Isso, por si só, é suficiente para anular todos os casos da lava jato em que ele esteve envolvido - incluindo a acusação de Lula e as sucessivas condenações baseadas em “evidências” que nunca se sustentariam em um tribunal sério.

Em conjunto com uma riqueza de detalhes sangrentos, o princípio Twin Peaks -  as corujas não são o que parecem - aplica-se plenamente ao Brazilgate. Porque a gênese do lava jato envolve nada menos que o governo dos Estados Unidos. E não apenas o Departamento de Justiça (DoJ) - como Lula vem insistindo há anos em todas as suas entrevistas. A op ( operação) foi Deep State no seu mais baixo nível.

O WikiLeaks  já havia revelado isso desde o início, quando a NSA começou a espionar a gigante de energia Petrobras e até mesmo o telefone inteligente de Dilma. Em paralelo, inúmeras nações e indivíduos aprenderam como a auto-atribuída extraterritorialidade do DoJ permite que ele vá atrás de qualquer pessoa, de qualquer maneira, em qualquer lugar.

Nunca foi sobre anticorrupção. Em vez disso, trata-se da “justiça” americana que interfere em todas as esferas geopolíticas e geoeconômicas. O caso mais gritante e recente é o da Huawei.

No entanto, o “comportamento maligno” de Mafiosi Moro / Dallagnol (invocar o Pentágono) atingiu um novo nível perverso na destruição da economia nacional de uma poderosa nação emergente, um membro do BRICS e líder reconhecido em todo o Sul Global.

A lava jato devastou a cadeia de produção de energia no Brasil, que por sua vez gerou a venda - abaixo dos prêmios de mercado - de muitas reservas valiosas de petróleo do pré-sal, a maior descoberta de petróleo do século XXI.

A lava jato destruiu os campeões nacionais em engenharia e construção civil e também em aeronáutica (como na Boeing, comprando a Embraer). E a lava jato comprometeu fatalmente importantes projetos de segurança nacional, como a construção de submarinos nucleares, essencial para a proteção da “Amazônia Azul”.

Para o Conselho das Américas - que Bolsonaro visitou em 2017 -, bem como o Conselho de Relações Exteriores - para não mencionar os “investidores estrangeiros” - ter o garoto neoliberal de Chicago, Paulo Guedes, instalado como ministro da Fazenda, era um sonho molhado. Guedes prometeu em on colocar todo o Brasil à venda. Até agora, sua tarefa tem sido um fracasso absoluto.

Como a cauda abana o cachorro ( How wag the dog )

Mafiosi Moro / Dallagnol eram "apenas um peão em seu jogo", para citar Bob Dylan - um jogo que ambos ignoravam.

Lula ressaltou repetidamente que a questão-chave - para o Brasil e o Sul Global - é a soberania. Sob Bolsonaro, o Brasil foi reduzido ao status de uma neocolônia de banana - com muitas bananas. Leonardo Attuch, editor do portal líder Brasil 247,  diz que “o plano era destruir Lula, mas o que foi destruído foi a nação”.

E isso nos leva ao cerne da questão do Brazilgate: como o Brasil é o prêmio mais cobiçado na narrativa mestra estratégica que condiciona tudo que acontece no tabuleiro de xadrez geopolítico em um futuro previsível - o confronto sem barreiras entre os EUA e a Rússia-China. 

Já na era Obama, o Deep State dos EUA identificou que, para incapacitar os BRICS de dentro, o nó estratégico “fraco” era o Brasil. E sim; mais uma vez é o petróleo, estúpido.

As reservas de petróleo do pré-sal podem valer até US $ 30 trilhões. O ponto não é apenas que o EUA quer um pedaço da ação; o ponto é como controlar a maior parte do petróleo do Brasil que está ligado à interferência com poderosos interesses do agronegócio. Para o Deep State, o controle do fluxo de petróleo do Brasil para o agronegócio é igual a contenção / alavancagem contra a China.

Os EUA, o Brasil e a Argentina, juntos, produzem 82% da soja mundial - e contam. A China implora a soja. Esta não virá da Rússia ou do Irã - que por outro lado pode fornecer à China petróleo e gás natural suficientes (ver, por exemplo, o poder da Sibéria I e II). O Irã, afinal, é um dos pilares da integração eurasiana. A Rússia pode eventualmente se tornar uma potência de exportação de soja, mas isso pode levar até dez anos.

Os militares brasileiros sabem que as relações próximas com a China - seu principal parceiro comercial, à frente dos EUA - são essenciais, o que quer que Steve Bannon possa reclamar. Mas a Rússia é uma história completamente diferente. O vice-presidente Hamilton Mourão, em sua recente visita a Pequim, onde se encontrou com Xi Jinping, parecia estar lendo um comunicado do Pentágono, dizendo à imprensa brasileira que a Rússia é um “ator maligno” que está implantando uma “guerra híbrida ao redor do mundo. "

Assim, o Estado dos EUA pode estar cumprindo pelo menos parte do objetivo final: usar o Brasil em sua estratégia Divide et Impera  de dividir a parceria estratégica Rússia-China.

Fica muito mais picante. Lava jato recondicionada como vaza jato também poderia ser decodificada como um jogo de sombras massivo; um cão abanar, com o rabo composto de dois ativos americanos.

Moro era um ativo certificado pelo FBI, CIA, DoJ e Deep State. Seu uber-chefe seria, em última análise, Robert Mueller (assim, Russiagate). No entanto, para Team Trump, ele seria facilmente dispensável - mesmo que ele seja o Capitão Justice trabalhando sob o ativo real, o menino Bannon Bolsonaro. Se ele cair, Moro terá a garantia do indispensável paraquedas dourado - completo com residência nos EUA e palestras em universidades americanas.

Greenwald, do Intercept , é agora celebrado por todas as vertentes da esquerda como uma espécie de americano / brasileiro Simon Bolivar com esteróides - com e em muitos casos sem qualquer ironia. Ainda há um problema enorme. O Intercept é de propriedade do praticante hardcore de guerra da informação, Pierre Omidyar.

De quem é a guerra híbrida?

A questão crucial à frente é o que as forças armadas brasileiras estão realmente fazendo neste pântano épico - e quão profundas elas estão subordinadas à Divide et Impera de Washington  .

Ele gira em torno do todo-poderoso Gabinete de Segurança Institucional, conhecido no Brasil pela sigla GSI. Os carros-chefe do GSI são todos os consensos de Washington. Depois dos anos "comunistas" de Lula / Dilma, esses caras estão agora consolidando um Estado profundo brasileiro supervisionando o controle político de espectro total, assim como nos EUA.

O GSI já controla todo o aparato de inteligência, bem como a Política Externa e Defesa, através de um decreto sub-repticiamente lançado no começo de junho, apenas alguns dias antes da bomba do Intercept. Até o capitão Marvel Moro está sujeito ao GSI; eles devem aprovar, por exemplo, tudo o que Moro discute com o DoJ e o Estado Profundo dos EUA.

Como discuti com alguns dos meus principais interlocutores brasileiros informados, o antropólogo craque, Piero Leirner, que sabe em detalhes como os militares pensam, e o advogado internacional suíço e conselheiro da ONU Romulus Maya, à lá Deep State dos EUA está se posicionando como o mecanismo de desova para a ascensão direta das forças armadas brasileiras ao poder, assim como seus garantes. Da mesma forma, se você não segue nosso roteiro ao pé da letra - relações comerciais básicas apenas com a China; e isolamento da Rússia - podemos balançar o pêndulo a qualquer momento.

Afinal, o único papel prático que o EUA teria para as forças armadas brasileiras - na verdade, para todas as forças armadas da América Latina - é como tropa de choque de “guerra às drogas”.

Não há arma fumegante – ainda. Mas o cenário de Vaza Jato como parte de uma psyops ( operação psicológica ) extremamente sofisticada, de domínio de espectro completo, um estágio avançado da Hybrid War ( guerra híbrida), deve ser seriamente considerado.

Por exemplo, a extrema-direita, bem como poderosos setores militares e o império  Globo   de mídia, de repente começaram a divulgar que  a bomba do The INTERCEPt é uma “conspiração russa”.Quando alguém acompanha o principal site militar do think tank - com muitas coisas praticamente copiadas e coladas diretamente da Escola de Guerra Naval dos EUA - é fácil se surpreender com a crença fervorosa em uma Guerra Híbrida Rússia-China contra o Brasil, onde a cabeça de ponte é provida por “elementos anti-nacionais” como a esquerda como um todo, bolivarianos venezuelanos, FARC, Hezbollah, LGBT, povos indígenas, como dizem.

Depois de Vaza Jato, uma blitzkrieg de notícias falsas combinada culpou o aplicativo Telegram ("eles são os russos do mal!") por hackear os telefones de Moro e Dallagnol. O Telegram oficialmente desmascarou isso em pouco tempo.

Surgiu então que a ex-presidente Dilma Rousseff e a atual presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, fizeram uma visita "secreta" a Moscou apenas cinco dias antes da bomba Vaza Jato. Confirmei a visita à Duma, bem como o fato de que, para o Kremlin, o Brasil, pelo menos por enquanto, não é uma prioridade. Integração eurasiana é. Isso, por si só, desmascara o que a extrema-direita do Brasil faria como Dilma pedindo a ajuda de Putin, que então libertou seus malvados hackers.

Vaza Jato - a segunda temporada do lava jato - pode estar seguindo o padrão Netflix e HBO. Lembre-se que a terceira temporada do True Detective foi um sucesso absoluto. Precisamos de rastreadores dignos de Mahershala Ali para detectar fragmentos de evidências sugerindo que as forças armadas brasileiras - com o total apoio do Deep State dos EUA - poderiam estar instrumentalizando uma mistura de Vaza Jato e Guerra Híbrida "Russos" para criminalizar a esquerda para sempre e orquestrar um golpe silencioso para se livrar do clã Bolsonaro e seu QI coletivo de sub-zoologia. Eles querem controle total - sem intermediários apalhaçados. Eles estarão mordendo mais bananas do que podem mastigar?

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247