Brecar impeachment é sobrevivência para Cunha



A julgar pelo que aconteceu ontem, quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, matou no peito (como diria Luiz Fux) o pleito da oposição para ele se posicionar a respeito do rito do impeachment, a chance de que ele autorize esse processo algum dia aproximou-se de zero.

Ao contrário do que previam alguns analistas, instrumentalizados por deputados pró impeachment, Cunha não tem interesse algum em fustigar o governo neste momento, porque ele sabe que se der o menor passo nessa direção será defenestrado no dia seguinte em represália do PT e da base aliada.

Cunha é o mais pragmático dos deputados e o mais fiel discípulo de Maquiavel. A sua posição agora, em setembro de 2015, é muito forte e muito frágil ao mesmo tempo.

Forte porque compete exclusivamente a ele tirar da gaveta ou não um processo de impeachment. Fraco porque está fragilizado pelas acusações da Lava Jato e, se cair em desgraça com o PT, os petistas poderão se aliar aos parlamentares que defendem seu afastamento e aí ele pode entrar no pior dos mundos: perda do cargo, quiçá perda do mandato e então... poderá ficar frente a frente com o algoz de Curitiba.

Neste momento o destino de Cunha – apesar dos seus arroubos de independência, cada vez mais opacos desde que ele entrou na mira de Janot – está definitivamente ligado ao de Dilma.

Enquanto Dilma continuar na presidência da República, ele segue na presidência da Câmara e o andamento do seu processo será colocado por Janot em banho maria.

Cunha está forte enquanto tem a chave para abrir o impeachment; mas, no momento em que o abrir – o que não fará – ficará fraco, pois já não será o dono dessa espada de Dâmocles, que é o seu trunfo mais poderoso.

Cunha também não se esquece do que aconteceu em 1992: o então presidente da Câmara, Ibsen Pinheiro autorizou o processo de impeachment de Collor, o impeachment venceu, mas, logo em seguida, Ibsen também foi cassado, voltou para casa, e jamais se recuperou politicamente, ao contrário de Collor, que, seja como for, está na linha de frente da política nacional.

Brecar o impeachment é, para Cunha, uma questão de sobrevivência.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email