Breve biografia do golpe de 64

Colunista Hildegard Angel destaca informações do jornal Última Hora, que não apoiou a ditadura de 64, e critica defesas do golpe por membros do atual governo

www.brasil247.com -
(Foto: Arquivo)


Por Hildegard Angel, do Jornalistas pela Democracia

No dia 3 de abril de 1964, o jornal Última Hora, um dos mais influentes e importantes do país e o único que não apoiou o golpe de estado contra João Goulart, foi atacado por forças da repressão golpista, que chegaram a bordo de um comboio de 60 carros, arrombaram as portas do jornal, destruíram tudo o que encontraram, mobiliário, máquinas, equipamentos, arquivos, depredaram e incendiaram o prédio, e por fim destruíram toda a frota do jornal, a fogo e a tiros.

Esta foi a "revolução redentora", que agora ousam enaltecer. Um golpe de estado que calou a imprensa, prendeu os que pensavam diferente, torturou, matou, sequestrou, perseguiu, destruiu empresas de seus opositores, colocou de joelhos a mídia, o empresariado, todos os setores da vida brasileira. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Censurou, proibiu, fez acordo MEC-Usaid para desqualificar nosso ensino, até então de excelência. Fechou o Congresso, desprezou a Constituição, ignorou as liberdades individuais, invadiu residências, queimou e proibiu livros, jogou bomba em jornais, OAB, matando inocentes. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atirou pelas costas. Locupletou-se de todos os modos. Impediu estudantes de se reunirem e de protestarem, obrigando-os à clandestinidade para não serem mortos. Mas mesmo assim foram mortos. 

Proibiu grupos de mais de três pessoas nas ruas. Obrigou todos a saírem de casa levando documentos e carteira de trabalho, caso contrário poderiam ser presos e desaparecer. Censurou a produção cultural brasileira. Inventou governadores e prefeitos "biônicos", que não eram eleitos, eram escolhidos a dedo. Enfim, saibam como foi, não se iludam. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agiram com tal truculência que o apelido mais meigo que mereceram da opinião pública foi "gorilas". Implantaram o medo, o pânico e o terror em todo o território nacional, contando com a colaboração dos "dedo-duros". Os péssimos carácteres se revelaram, era a canalhice ostentação. 

Enfim, é esse o Brasil do passado que agora louvam. Esse terror, eu já vivi. Minha geração viveu. E o que me move a correr riscos e falar é o amor pelo Brasil.

Naquela época foram também as fake news que "justificaram" todos aqueles abusos, alegando o risco do "comunismo", que não havia, não existia. Era apenas um pretexto para se aboletarem no poder.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email