Bronzeamento de ACM Neto tenta humilhar pretos e pardos

"No penúltimo país a abolir a escravidão na América, pessoas de boa fé reconhecem que a cor da pele não é apenas a cor da pele", escreve Paulo Moreira Leite

www.brasil247.com - ACM Neto
ACM Neto (Foto: Instagram/ACM Neto/Reprodução)


É uma herança que testemunha séculos de história, com precisão difícil de negar. Sabemos o que significa ser preto e pardo. Basta consultar as estatísticas, perguntar pelas oportunidades que a vida oferece, olhar para os passageiros de ônibus apertados, para quem está na fila do posto de saúde, ou quem aparece nos telejornais como vítima preferencial da violência policial que é a contrapartida inevitável do pouco caso permanente diante das necessidades da maioria.

Em 2012, 124 anos após a abolição, o STF aprovou a Lei de Cotas,  primeira providência efetiva destinada a enfrentar a obscena desigualdade social-racial brasileira. Foi uma inesquecível batalha cultural e política, que derrotou a Democracia Racial, ideologia construída para tornar invisível uma discriminação inaceitável e vergonhosa. 

Uma década depois, seus efeitos benéficos estão aí -- nas universidades, nos consultórios, nos edifícios de apartamento, num país que conquista um novo patamar de dignidade. 

Com seu bronzeado artificial, acompanhado de uma mudança de registro para "pardo", ACM Neto envergonha um país inteiro, em particular os baianos, habitantes de uma sociedade onde a barbárie do racismo atinge um padrão especialmente grotesco.

Alguma dúvida?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email