Caju amigo, o coquetel que virou senador

"O senador Romero Jucá, o 'Caju' da lista de propinas da Odebrecht tem todos os motivos para ficar o mais longe possível dos holofotes: além de responder a oito inquéritos no STF anteriores à Lava Jato, foi afastado do Ministério do Planejamento depois da revelação de seus diálogos nada republicanos com o ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, nos quais engendrava planos para driblar investigações acerca da camarilha do PMDB que usurpou o poder", diz o colunista Alex Solnik, que critica sua iniciativa para blindar os chefes da Câmara e do Senado

Brasília - O ministro do Planejamento Romero Jucá
Brasília - O ministro do Planejamento Romero Jucá (Foto: Alex Solnik)

O senador Romero Jucá, o “Caju” da lista de propinas da Odebrecht tem todos os motivos para ficar o mais longe possível dos holofotes: além de responder a oito inquéritos no STF anteriores à Lava Jato, foi afastado do Ministério do Planejamento depois da revelação de seus diálogos nada republicanos com o ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, nos quais engendrava planos para driblar investigações acerca da camarilha do PMDB que usurpou o poder.

   Mas, em vez de ficar num canto neutro, mergulhar no ostracismo de onde nunca deveria ter saído, na esperança de que o esqueçam ele se esmera em produzir notícias a seu respeito, sempre negativas, é claro e reincidindo na prática que o afastou do governo Temer (se é que afastou).

   Sua mais recente investida foi a elaboração de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) com a qual pretende ajudar dois companheiros da lista da Odebrecht: “Índio”, o presidente do Senado e “Botafogo”, o presidente da Câmara dos Deputados.

   A artimanha se resumia em estender a eles a blindagem que a constituição reservou ao presidente da República, impedindo-o de ser investigado por qualquer ato anterior à sua posse.

  Em vez de se ocupar, em nome da transparência, em eliminar a blindagem presidencial, que é inaceitável, pois o posto mais alto da República deveria ser ocupado por pessoas que não precisam de blindagens desse tipo, ele tentou o caminho inverso, mas desistiu da PEC no fim do dia, a pedido de “Índio”.

   A grande atração de um famoso bar de São Paulo era um coquetel à base de vodka e suco de caju chamado “caju amigo”.

   O coquetel virou senador.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Florestan Fernandes jr

No pasarán!

Se os democratas não se mobilizarem em defesa do Estado Democrático de Direito, "o Brasil será transformado num pária no mundo", escreve Florestan Fernandes Jr., do Jornalistas pela Democracia....

Ao vivo na TV 247 Youtube 247