Cala boca de Bolsonaro é o equivalente aos chutes da sua matilha em jornalistas

"Ambas agressões significam censura e restrição ao trabalho de jornalistas, e representam uma violência brutal às garantias fundamentais de liberdade de imprensa, informação e expressão previstas na Constituição", escreve o colunista Jeferson Miola

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e bolsonaristas agredindo jornalistas
Jair Bolsonaro e bolsonaristas agredindo jornalistas (Foto: Reuters)


A cena do candidato a Hitler brasileiro postado com agressividade na entrada do Palácio do Alvorada e mandando os jornalistas calarem a boca, é a expressão de um sujeito não somente ensandecido, mas de alguém cuja continuidade na presidência agravará a violência fascista no país.

Não há, em absoluto, nenhuma diferença entre a agressão física da matilha bolsonarista contra jornalistas e a agressão verbal do Bolsonaro à imprensa.

O “cala boca!” ordenado por Bolsonaro é o equivalente verbal dos chutes, empurrões e socos de bolsonaristas em jornalistas. É uma senha para a liberação da violência contra a imprensa, a oposição e a qualquer pessoa que não se alinhe ao fanatismo extremista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ambas agressões significam censura e restrição ao trabalho de jornalistas, e representam uma violência brutal às garantias fundamentais de liberdade de imprensa, informação e expressão previstas na Constituição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro subiu vários degraus na escalada ditatorial para subverter o regime e implantar uma ditadura. Ele já atingiu o coração do Estado de Direito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em nota sobre a agressão de jornalistas por bolsonaristas domingo, o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva afirmou que “A liberdade de expressão é requisito fundamental de um País democrático”, e disse que “qualquer agressão a profissionais de imprensa é inaceitável” [aqui].

Será contraditório, agora, Azevedo e Silva não condenar o autor da “agressão inaceitável” a profissionais de imprensa, que é ninguém menos que seu próprio chefe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Câmara dos Deputados tem o dever de autorizar, com o voto de 2/3 dos parlamentares, o STF a julgar Bolsonaro pelos crimes comuns em série que ele comete.

A autorização do julgamento do genocida no STF, com seu imediato afastamento por 180 dias [CF, artigo 86], é uma urgência urgentíssima, para impedir que o país ingresse numa espiral fascista sem retorno.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email