Calendário de bom senso

O Ministério do Esporte apoia uma revisão da maratona de jogos que os principais clubes fazem ao longo do ano



Oportuna e necessária, é mais que bem-vinda a negociação que os atletas do Bom Senso FC iniciaram com a CBF para melhorar o calendário do futebol brasileiro. Trata-se de um problema no qual o governo não pode interferir diretamente, mas o Ministério do Esporte apoia uma revisão da maratona de jogos que os principais clubes fazem ao longo do ano, na qual os pequenos, que são a maioria, podem ser classificados como sem-calendário.

Grandes times disputam até três torneios ao mesmo tempo, como está ocorrendo agora, com participações no Campeonato Brasileiro, nas Copas do Brasil e Sul-Americana. Os jogadores são sacrificados com uma sequência de lesões que os prejudica não só como seres humanos, submetidos a jornadas exaustivas, como também afetam o desempenho profissional. Em média os grandes disputam ao ano 20 partidas a mais que seus similares da Europa.

Falta tempo para as férias e para a pré-temporada que recompõe o condicionamento físico dos atletas. Às vezes há tantos jogadores no departamento médico quanto no campo. Outro efeito nocivo do calendário asfixiante é a impossibilidade de os times excursionarem ao exterior, uma tradição que praticamente acabou, em prejuízo não só das finanças dos clubes como da projeção do futebol brasileiro no cenário internacional.

O aperfeiçoamento do calendário há de beneficiar não apenas a série A do Brasileirão. As demais, assim como os campeonatos estaduais, também irrigam a grandeza do futebol brasileiro e devem ser consideradas.

Portanto, a agenda da Copa do Brasil tem de ser valorizada por sua especial característica de torneio da integração nacional, em que um pequeno clube festeja eliminar um gigante, como já aconteceu na disputa entre Asa de Arapiraca e Palmeiras. O episódio ficou inscrito na história da agremiação alagoana.

Convém insistir nesse ponto: os clubes pequenos precisam ser contemplados nas negociações de um novo calendário.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email