Câmara e Planalto pressionam e STF busca caminho do meio

"É uma sinuca de bico, que coloca a Corte Suprema - que hoje vive uma trégua com o governo Bolsonaro - entre a cruz da constitucionalidade, que a obriga a fazer o certo, e a caldeirinha das ameaças e dos ataques que pode sofrer por supostamente inviabilizar a ajuda aos pobres", escreve a jornalista

www.brasil247.com - Rosa Weber
Rosa Weber (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

A possibilidade de os deputados que estão em missões no exterior votarem de forma remota e a composição do texto das emendas aglutinativas de uma PEC podem ser assuntos interna corpori do Legislativo - portanto, um bom pretexto para o STF não anular a votação da PEC dos Precatórios na Câmara. Mas a farra das emendas de relator, as RP9, pagas por determinação do presidente da Câmara em troca de votos favoráveis a esta e a outras matérias, não é.

Não é assunto interno do Congresso porque fere direitos - o dos brasileiros de saber para onde vai e no que será utilizado o dinheiro público, e o da população dos municípios não agraciados pelas emendas porque seus representantes não votaram com o governo, são apenas alguns. Diferentemente do que ocorre hoje no caso das emendas comuns, que antes eram negociadas de forma discricionária e depois passaram ter critérios.

PUBLICIDADE

As emendas de relator são a nova modalidade de compra de votos, prática que sempre existiu mas que se reveste das mais variadas formas, que vão sendo engendradas à medida em que as anteriores são descobertas e, naturalmente, coibidas, já que ilegais.Todo mundo sabe disso desde o escândalo dos "Anões do Orçamento", lá nos anos 90.

A ministra Rosa Weber, portanto, estava cheia de razões quando suspendeu o pagamento das emendas de relator e exigiu transparência também nessa modalidade de transferência de recursos orçamentários. Mas o STF, que vai analisar a partir de amanhã a liminar de Weber, passou o fim de semana sob forte pressão do deputados Arthur Lira e seu grupo, e também do Planalto. Eles dizem aos ministros da Corte que serão responsáveis pela derrrubada de uma PEC que viabiliza o Auxílio Brasil e seus pagamentos de R$ 400.

PUBLICIDADE

É uma sinuca de bico, que coloca a Corte Suprema - que hoje vive uma trégua com o governo Bolsonaro - entre a cruz da constitucionalidade, que a obriga a fazer o certo, e a caldeirinha das ameaças e dos ataques que pode sofrer por supostamente inviabilizar a ajuda aos pobres.

As apostas hoje são de que, a partir de amanhã, quando começa a julgar o assunto, o Supremo vai encontrar um caminho do meio. Não deve acolher as ações para anular a votação da PEC dos Precatórios.

PUBLICIDADE

Mas deve manter ao menos parcialmente a decisão de Rosa Weber. Se não para manter bloqueados os pagamentos feitos até agora - que interessam diretamente aos que votaram a PEC - , ao menos para obrigar a Câmara e o governo a lhes dar transparência total. Ou seja, a compra de votos pode continuar, mas saberemos quem comprou, quem vendeu, e por quanto. Não é grande coisa, mas sabemos que, nesses casos, o segredo é a alma do negócio. E a luz do sol, trazendo a possibilidade de fiscalização e exposição de nomes, às vezes funciona como desinfetante.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email