Cavalgaduras

"Difícil acreditar que esse porta-voz do governo, Otávio Rêgo Barros, seja um general-de-divisão do Exército Brasileiro. Da ativa", escreve Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia, após o general insinuar que o jornalista Glenn Greenwald cometeu crimes; "Mesmo que nas ruínas da nação, vamos ter que nos debruçar sobre a deformação militar"

(Foto: Senado | ABr)

Por Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia

Difícil acreditar que esse porta-voz do governo, Otávio Rêgo Barros, seja um general-de-divisão do Exército Brasileiro. Da ativa. 

Como chegamos a essa tragédia? Em algum momento, mesmo que nas ruínas da nação, vamos ter que nos debruçar sobre a deformação militar, no Brasil. 

Porque, em algum ponto do nosso tempo histórico, deixamos que figuras como Rêgo Barros chegassem, por pura inércia, ao generalato.

Largadas à própria sorte, depois da ditadura, gerações inteiras de oficiais foram se moldando em um mundo paralelo, paralisadas na estupidez da Guerra Fria, sem que nenhum governo tivesse tido a coragem de intervir nesse processo de informação. 

Sem julgamentos e sem expurgos, os crimes da ditadura ficaram impunes e, mais grave, ficaram impunes as mentiras da caserna sobre esses crimes.

Tacitamente, a nação decidiu que militares tinham direito a mentir, falsear, esconder e manipular quaisquer indícios de verdades, desde que ficassem quietos nos quartéis. 

O problema é que, quietos, voltaram-se para si mesmos, para os antigos delírios anticomunistas, fortalecendo esse conceito primário de guardiões dos valores morais da nação, enclausurados num país inexistente, muitíssimos preocupados com promoções e adidâncias no exterior.

Dessa lástima, surgiram esses generais ora no governo, alinhados à necropolítica de um psicopata, alheios ao bom senso, à razão e ao ridículo.

Assim diante de um exercício mínimo de jornalismo levado a cabo pelo repórter Guilherme Mazieiro, do UOL, o general, obrigado a articular um argumento não combinado, quase teve um AVC.

Um general de três estrelas do Exército Brasileiro. 

Difícil acreditar que tenhamos chegado a esse ponto.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Lula volta a frustrar Moro, Rede Globo e PSDB
Mauro Nadvorny

Não é o Lula, é o Lula

Ninguém pode ser condenado sem trânsito em julgado. Em outras palavras, um culpado de um crime qualquer, só pode cumprir sua pena, quando tiver sua condenação confirmada e todos os recursos negados...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247