CCJ pode desmembrar denúncia contra Temer

"Embora o  presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tenha declarado que a denúncia contra Temer  e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco deva tramitar como processo único, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)  ainda pode optar pelo fatiamento da denúncia, já que agora ela apresenta diferenças importantes em relação à primeira", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "Temer e os dois ministros são acusados de formar  organização criminosa mas só ele é acusado de obstrução da Justiça. A assessoria técnica da CCJ informou ao 247 que o rito de tramitação  ainda está sendo juridicamente examinado pela comissão, que poderá optar pelo processo único ou também pelo desmembramento, caso em que seriam indicados não apenas um, mas dois relatores"

"Embora o  presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tenha declarado que a denúncia contra Temer  e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco deva tramitar como processo único, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)  ainda pode optar pelo fatiamento da denúncia, já que agora ela apresenta diferenças importantes em relação à primeira", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "Temer e os dois ministros são acusados de formar  organização criminosa mas só ele é acusado de obstrução da Justiça. A assessoria técnica da CCJ informou ao 247 que o rito de tramitação  ainda está sendo juridicamente examinado pela comissão, que poderá optar pelo processo único ou também pelo desmembramento, caso em que seriam indicados não apenas um, mas dois relatores"
"Embora o  presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tenha declarado que a denúncia contra Temer  e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco deva tramitar como processo único, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)  ainda pode optar pelo fatiamento da denúncia, já que agora ela apresenta diferenças importantes em relação à primeira", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "Temer e os dois ministros são acusados de formar  organização criminosa mas só ele é acusado de obstrução da Justiça. A assessoria técnica da CCJ informou ao 247 que o rito de tramitação  ainda está sendo juridicamente examinado pela comissão, que poderá optar pelo processo único ou também pelo desmembramento, caso em que seriam indicados não apenas um, mas dois relatores" (Foto: Tereza Cruvinel)

                        Embora o  presidente da Câmara,  Rodrigo Maia, tenha declarado que a denúncia contra Temer  e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco deva tramitar como processo único, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)  ainda pode optar pelo fatiamento da denúncia, já que agora ela apresenta diferenças importantes em relação à primeira. Temer e os dois ministros  são acusados de formar  organização criminosa mas só ele é acusado de obstrução da Justiça.  A assessoria técnica da CCJ informou ao 247 que o rito de tramitação  ainda está sendo juridicamente examinado pela comissão, que poderá optar pelo processo único ou também pelo desmembramento, caso em que seriam indicados não apenas um, mas dois relatores.

                        O eventual desmembramento elevará o custo da operação “abafa” para o Planalto, pois  será necessário garantir o apoio de 172 votos em duas votações.  O governo já descontingenciou recursos da ordem de R$ 12 bilhões na sexta-feira, sendo que só com emendas parlamentares  torrará o equivalente a um bilhão de reais.  Tentando lustrar sua imagem, hoje Temer anunciou verba de R$ 3 bilhões para os beneficiários do Bolsa-Família (para microcrédito) e um milhão de vagas adicionais no Pronatec.  Com estas ações sociais, espera reduzir  seu índice de rejeição, é que de mais de 95%, e facilitar a vida dos deputados governistas na disputa eleitoral do ano que vem.

                        Mas com desmembramento ou não,  aliados do governo asseguram que a denúncia será rejeitada, como da outra vez.  Fala-se na indicação do deputado Marcos Rogério, do PDT, como relator na CCJ.  Se escolhido, provavelmente ele daria parecer pelo acolhimento da denúncia, como fez quando relatou no Conselho de Ética a denúncia contra Eduardo Cunha.  Mesmo assim, os governistas derrotariam seu parecer na CCJ e o plenário votaria o substitutivo pela rejeição.   A maioria da Câmara não está interessada em fundamentos, provas ou indícios. Não quer saber se houve crime ou não.  A maioria age como mulas. Se têm pela frente um balde com milho, dane-se o resto. E é isso que o governo está fazendo neste momento. Abastecendo o balde.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247