Celso Amorim prevê vexame sem precedentes na atuação do Brasil na ONU

"Nunca, em todo o período que eu me conheço como diplomata, mesmo quando não eram os presidentes que iam na assembleia geral, houve um constrangimento ao orador brasileiro, ou ao chefe de estado", pontua o ex-chanceler. Ele também questiona: "o presidente Bolsonaro, que tem grande dificuldade de articular um parágrafo, vai falar sobre os grandes problemas mundiais? Eu não sinto que ele esteja capacitado a fazer esta análise"

Celso Amorim
Celso Amorim (Foto: 247)

Por Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia - Por posicionamento político, o chanceler Celso Amorim, que ocupou por duas vezes o cargo de ministro das Relações Exteriores do Brasil, já teve divergências de opinião com o ex-embaixador Marcos Azambuja. Hoje, ambos aposentados de suas carreiras no Itamaraty, encontram um ponto de convergência na expectativa pra lá de negativa com relação ao discurso de abertura da Assembleia da ONU, a ser feito na próxima terça-feira, pelo presidente Bolsonaro, em cumprimento a uma tradição, inaugurada por Oswaldo Aranha. 

247 – Nós teremos na próxima segunda-feira, o evento: “Cúpula do Clima”, organizado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, em que o Brasil não estará presente, em um momento em que a principal pauta do clima é a Amazônia. Como o senhor vê esta ausência?

- Eu acho muito grave que haja uma Cúpula do Clima, como o secretário está chamando - ainda que seja informal - com muitos países, mais de 60, creio eu, em que o Brasil não possa falar, por não ter assumido nenhuma meta nova para enfrentar esse problema, que todos sabemos, é real. Quem comprovou com todas as letras o aquecimento global, se o chanceler ainda tem dúvida, foi o Trump. O Trump é um grande investidor imobiliário e, também em mineração, direta ou indiretamente. E ele quer comprar a Groenlândia. Por quê? Claro que é porque ele sabe que vai degelar.

247 - Então Trump quer fazer sua reserva particular?

-Exatamente. Ou ele vai montar uns hotéis, ou vai buscar a mineração, exatamente como ele quer fazer na Amazônia também. É isso. Esse interesse todo pela Amazônia por parte dos Estados Unidos no Brasil, e que o presidente Bolsonaro diz que vai ser prioritária, o motivo não é defender a soberania, mas para facilitar a mineração. 

247 - E qual a expectativa quanto ao discurso de abertura da Assembleia da ONU, pelo Brasil?

- Que expetativa eu posso ter? Hoje até tem um artigo do embaixador Marcos Azambuja, e nós já discordamos, ou ele discordou de mim, um sujeito muito inteligente, independente de posições mais ou menos liberais, em que ele mostra que o que existe hoje é uma coisa fora do comum. Nunca, em todo o período que eu me conheço como diplomata, mesmo quando não eram os presidentes que iam na assembleia geral, eu mesmo fui, no governo Itamar, e no governo Lula também, nunca houve um constrangimento ao orador brasileiro, ou ao chefe de estado. 

O grande problema que eu tive na época do Lula era encaixar os encontros bilaterais que eram pedidos ao presidente Lula. Muito mais do que ele poderia ter. Agora não. Há o temor de um constrangimento... Não é fácil também as pessoas não irem, porque o Brasil é o primeiro a falar e os Estados Unidos o segundo. Então as pessoas que querem ouvir o Trump, que é o líder mundial, independente das ideias dele, vão ter que estar lá antes. Não se pode esperar que esteja vazio. Pode eventualmente ter as pessoas com ar de muxoxo, ou um ou outro que possa sair. Mas o que eu queria dizer é que nunca houve esta ideia do constrangimento.

Eu me pergunto: o presidente Bolsonaro, que tem grande dificuldade de articular um parágrafo, vai falar sobre os grandes problemas mundiais? Porque não é só falar do Brasil. É falar do Oriente Médio, falar de mudança de clima, falar de imigração, dos grandes problemas do mundo. Comércio, eventualmente...Eu sinceramente não sinto que o presidente brasileiro pelo que ele demonstrou até hoje – gostaria muito de estar enganado – esteja capacitado a fazer esta análise.

247 - É provável que ele não dê conta desta pauta?

- O Brasil é o primeiro a falar. Eu fiz quatro vezes o discurso da ONU. Duas vezes no governo Itamar, porque ele não gostava de viajar, e duas vezes no governo Lula por impedimentos diversos. Eu percebi isto e mais diretamente quando o presidente Lula discursou, que do chefe de estado se espera uma análise internacional, porque é o primeiro a falar. Claro que fala também dos interesses do Brasil. 

247 - E o que se pode esperar?

- Eu acho que na realidade ele vai se limitar a expor um conceito distorcido da soberania, que é a ideia de que, como a Amazônia é brasileira, obviamente como parte da nossa soberania ele pode fazer o que quiser, mas soberania não é poder fazer o que quiser. É você ter a responsabilidade nacional. Não há como desconhecer. Então você tem uma responsabilidade para com o mundo. Tem também toda essa conversa do Macron, que eu também sou contra, de estado internacional da Amazônia. Isto, no entanto, quem criou foi o Bolsonaro. Quem falava disso na época do presidente Lula, ou da presidenta Dilma, que eu acompanhei tanto?

247 - Não havia essa intromissão.

-É claro que não, porque nós estávamos fazendo o que nós devíamos. E não estávamos fazendo para ser agradável à comunidade internacional e quem quer que seja. A gente fazia o que a gente achava que deveria ser feito em benefício do nosso povo. Ao mesmo tempo, levando em conta que é uma responsabilidade global.

O presidente Lula aceitou lá na Conferência de Copenhague, que o Brasil teria esse compromisso. Aliás, ele até foi mais longe. Ele assumiu, ou pelo menos fez a proposta, de ajudar os países mais pobres. Outra época, totalmente... E agora nós estamos com um conceito totalmente distorcido, do tipo assim... Se fosse no governo militar, por exemplo: ‘Somos soberanos. A Amazônia é nossa, então podemos queimar porque ela é nossa’. Não é verdade. Eu acho que diz bem quem diz que ela é um patrimônio que está sob a guarda do Brasil, mas ela é importante para o mundo inteiro.

247 - Eu li que ele pretende levar uma índia para dar um depoimento sobre as fak news das queimadas na Amazônia. Isto cabe nesse ambiente? É possível fazer isto?

- Bom, falar ali junto com ele não creio que seja possível. Não acredito que vão aceitar isto. Ele poderia marcar alguma outra reunião. Aliás, o que eu estou mais chocado não é nem com isto. O que eu estou mais chocado é com a presença de dois elementos do “pseudo” governo do Guaidó na delegação brasileira... É um absurdo.

247 - É um contrabando, digamos assim?

- É um contrabando absurdo. Eu vejo os jornais tratarem o Maduro como ditador, e eu não vou entrar no mérito, mas deviam chamar o Guaidó de impostor. Ele não é legítimo. E o Brasil assume, coloca na sua delegação e, portanto, o que um deles disser é imputável à delegação brasileira. Isto não existe. A única vez que nós fizemos isto foi com a Argentina, mas era uma coisa combinada. Nós tínhamos um brasileiro na delegação argentina e um argentino na delegação brasileira, para mostrar que nós estávamos, realmente nos integrando. Agora, tomar um representante de um governo que não existe, que não vai ter chance, acredito eu, pois já demonstrou pela via da hipocrisia e pela via da sublevação militar e não conseguiu...

247 - Isto sem contar que posou ao lado de narcotraficantes...

- Sem falar nesse aspecto terrível. Imagine se fosse um líder de esquerda de qualquer país, tirando foto com narcotraficantes. É uma coisa inacreditável. Eu estou muito preocupado também com a reunião do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), marcada para a véspera. É um tratado totalmente obsoleto, que já devia estar enterrado – eu aliás, quando fui ministro, nem me preocupei em denunciar ou propor ao presidente Lula anular o TIAR, porque achava que aquilo era uma coisa que nunca mais ninguém iria invocar. 

247 - Estava desativado, não é?

- Totalmente desativado, e agora eles vão reativar para, no fundo, ter uma ameaça do uso da força contra a Venezuela. Veja se é possível, isto. O Guaidó, que quer ser presidente interino da Venezuela, admitir o uso da força para derrubar o governo Maduro. Imagine se aqui nós disséssemos que queríamos a intervenção estrangeira da Rússia ou da França, para tirar o Lula da cadeia! Isso é loucura.

247 - Isto é crime de traição, não?

- Traição à pátria. Esse cara é um traidor da Venezuela. Não estou defendendo o Maduro, acho que há erros, e é preciso diálogo. Eu gostei da entrevista dele para a Folha de São Paulo. Não concordo com tudo, mas gostei da entrevista. Acho que sim, o caminho é o diálogo. Mas acho muito difícil o diálogo ser feito com o Guaidó. O ano que vem tem eleições legislativas. Terão que talvez devolver poderes à Assembleia Legislativa, e de uma certa maneira a entrevista do Maduro não é incompatível com o que eu estou dizendo. É ir por esse caminho, que foi o caminho que nós seguimos, o de sermos amigos da Venezuela. 

O presidente Lula, aliás, disse ao Chávez. Isto aqui não é problema do Chávez. É a Venezuela. Vai ter gente que gosta de você e vai ter gente que não gosta. Tudo bem. É assim que tem que ser. Mas agentes do Guaidó na nossa delegação realmente supera tudo o que eu poderia imaginar em matéria de submissão aos Estados Unidos. Porque é óbvio que quem pediu isto foram os Estados Unidos. Os EUA não vão fazer, e o governo atual não se esforça sequer para manter as aparências. Como o chanceler ir lá nos Estados Unidos discutir com o Steve Bannon. Se ele discutiu ou não o nosso discurso, não sei, não posso fazer a afirmação sem ter certeza. Mas sinceramente, na véspera da Assembleia Geral, você vai se reunir com o líder de extrema direita dos Estados Unidos? Lamentável.

247 - Esta apresentação desta índia, nos Estados Unidos, levada pelo governo, não lembra um pouco aquela exibição dos índios à corte francesa?

- (Gargalhando) É. Eu acho que a apresentação à corte francesa era mais ingênua, era aquela ideia do bom sauvage, uma coisa menos falsa, menos mentirosa. 

247 - Era o exotismo...

- Era o exotismo, e aquelas ideias preconizadas na época, mas agora é pior. Muito pior. Coisas boas não serão. A gente tem que aguardar a extensão dos estragos que estão sendo feitos. Por exemplo, já esperando que o discurso será lamentável, uma distorção do conceito de soberania, e isto tudo que eu previa. Porém, jamais imaginei que nós fôssemos convidar gente da ultradireita venezuelana, um com passaporte francês, outro espanhol, uma coisa assim que nem é venezuelano suficiente para integrar esse grupo. Isso na nossa delegação é uma baixeza que eu acho que sinceramente, tinha de ser vista. E se há o precedente com a Argentina, é diferente, porque era uma troca. Até para ter o representante no Conselho de Segurança (da ONU). A Argentina estava no Conselho quando o Brasil era membro e vice-versa. Uma integração. Neste caso é um gesto gratuito de submissão. Inadmissível, na minha opinião.

247 - Você espera algum gesto de protesto por parte dos chefes de estado, que lá estarão?

- Olha, eu não exageraria a expectativa a esse respeito. Alguns poderiam até preferir não estar presente, mas o discurso do chefe brasileiro, que é o primeiro, como é uma tradição - esperemos, como disse o embaixador Azambuja, que a gente não acabe perdendo essa prerrogativa -, é o discurso de abertura. Não para dizer o Brasil quer isto, o Brasil quer aquilo. Suponho que sejam coisas boas, o que não serão. Você tem uma responsabilidade de falar da realidade do mundo. É o discurso do debate geral. Eu espero que ele não diga coisa de tal monta absurda que acabe ameaçando esta tradição do Brasil.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247