Censura mostra que reforma só passa com ditadura

"Ao se recusar a fornecer os dados empregados para formular a reforma da Previdência, o governo Bolsonaro presta um tributo a ditadura de Augusto Pinochet, matriz do projeto em debate em Brasília," escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "No Chile, a reforma foi imposta a um país sob terror político. No Brasil, a proposta é idêntica, mas a resistência  não para de crescer e se apoia em direitos e garantias da democracia. Incapaz de enfrentar o debate aberto, o Planalto apela para a censura, derrubando uma garantia criada pela Lei de Transparência, que assegura a todo cidadão o acesso aos documentos públicos."

www.brasil247.com - Censura mostra que reforma só passa com ditadura
Censura mostra que reforma só passa com ditadura (Foto: Esq.: Adriano Machado - Reuters / Meio (Antonio Cruz-ABR))


Por Paulo Moreira Leite, para o Jornalistas pela Democracia

Censura prova que reforma só vem com ditadura

Ao se recusar a abrir dados econômicos usados para justificar a reforma da Previdência, a equipe  de Paulo Guedes presta um tributo a matriz de seu projeto -- a ditadura de Augusto Pinochet, que implantou uma mudança dessa envergadura quando o Chile estava submetido a mais sanguinária ditadura da América do Sul. 

 No Chile, a reforma foi imposta em 1980, quando a oposição fora massacrada pela violência, a morte e a tortura. Os sindicatos estavam silenciados, bem como os partidos políticos ligados a luta dos trabalhadores e do povo. Foi nessa situação que se rompeu o sistema solidário de repartição para criar a previdência privada, através da capitalização individual, que transformou a velhice chilena em sinônimo de miséria, que assombra o país até hoje. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reforma em curso no Congresso brasileiro tem os mesmos objetivos mas não pode contar com os mesmos métodos para ser aprovada, de cima para baixo, sob o silêncio forçado dos adversários. Com todos os percalços e tumultos, ainda se vive sob uma Constituição democrática, na qual a liberdade de expressão é uma cláusula pétrea. Os partidos -- mesmo de esquerda -- estão legalizados. Os sindicatos tem sido atacados de forma covarde e sistemática mas têm força para organizar a resistência. Há uma semana, a Folha de S. Paulo, jornal de maior circulação no país, publicou editorial onde dizia para o Planalto abandonar a ideia de capitalização.

Nesse ambiente, o governo Bolsonaro se refugia na censura por uma razão obvia. Sabe que os dados irão confirmar em  detalhe os argumentos dos adversários da reforma e incendiar o país, mostrando que ela pretende atingir os pobres e menos protegidos, preservando os privilegiados. É assim que se pretender arrancar R$ 1 trilhão do lombo da maioria dos brasileiros, obrigados a trabalhar mais, pagar mais e receber menos pela aposentadoria. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Considerando que precisa de uma maioria de 3/5 dos votos para aprovar as principais mudanças, o  temor do governo é claro. Tem medo de  que o repúdio ganhe a dimensão devida, impedindo a bancada de aliados de Bolsonaro de fornecer os votos que o projeto necessita.

Incapaz de enfrentar o debate democrático, o Planalto apela para a ignorância e a censura, na esperança de fugir de um direito assegurado pela Lei de Transparência. Já vimos esse filme e o final é uma tragédia. 

Alguma dúvida?  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email