Chacina de Acari: reparação necessária

"Ao buscar alguma reparação para isso, pelo menos damos uma demonstração de que não estamos de acordo e de que a gente se importa", escreve André Ceciliano

www.brasil247.com - Chacina do Acari
Chacina do Acari (Foto: Reprodução)


A Chacina de Acari aconteceu no dia 26 de julho de 1990 e é um dos casos mais emblemáticos de impunidade ocorridos no Brasil, com repercussão mundial. Foram 11 pessoas, sete das quais menores, a maioria moradora da Favela de Acari, que foram levadas de um sítio em Magé, onde haviam ido passar o fim de semana, por homens que se apresentaram como policiais. Colocados, no meio da noite, na kombi do dono do sítio, que também foi sequestrado, eles nunca mais apareceram. Os corpos jamais foram encontrados.

Com base no depoimento de uma sobrevivente, já falecida, que se escondeu no mato com o neto de 12 anos, o MP denunciou como autores policiais integrantes de um grupo de extermínio, o Cavalos Corredores, que assim se autodenominavam devido ao barulho assustador que faziam ao adentrar as comunidades. Os acusados, porém, alegaram que as vítimas seriam envolvidas com o tráfico de drogas na favela e que o crime teria sido cometido por uma facção rival. Nada se provou, não havia corpo e o caso foi arquivado. Ninguém foi preso.

Inconformadas, as mães desses jovens criaram um grupo, o Mães de Acari, para buscar justiça e o paradeiro das vítimas. A líder do movimento, a diarista Edmea da Silva Euzébio, pagou com a vida a “ousadia” de tentar encontrar os assassinos e o corpo do filho. Em 15 de janeiro de 1993, ela e Sheila da Conceição foram emboscadas e mortas a tiros, no estacionamento do metrô da Praça Onze, muito próximo de onde anos mais tarde seria assassinada a vereadora Marielle, supostamente por ter encontrado pistas que poderiam levar à prisão dos autores da chacina.

Nada vai trazer de volta a vida dessas pessoas. Entretanto, passados quase 32 anos, finalmente alguma reparação pode acontecer. No último dia 9 de junho, a Alerj aprovou lei de minha autoria estabelecendo que o Estado deve pagar indenização às famílias das vítimas da Chacina de Acari, a ser calculada em função da idade e expectativa de vida que tinham na data em que desapareceram.

E, para que esse crime nunca seja esquecido, o projeto incluiu, ainda, um pleito da Comissão Interamericana dos Direitos Humanos, levado pelo meu amigo, ex-deputado Robson Leite, para que o estado construa na Favela de Acari um monumento em memória das vítimas. A Chacina de Acari não foi o primeiro nem o último crime do gênero no Rio de Janeiro. Entretanto, ao buscar alguma reparação para isso, pelo menos damos uma demonstração de que não estamos de acordo. É uma forma de mostrar que, sim, a gente se importa.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247