Chapolin Colorado

"Juan Guaidó está mais ou menos naquela situação do 'José' do Drummond: sem passaporte, sem agenda, sem apoio, sem discurso. A luz apagou. A noite esfriou. Todos o abandonaram", diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia; "Guaidó achava que era o novo Simón Bolívar, mas está mais para Chapolin Colorado"

Chapolin Colorado
Chapolin Colorado

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Juan Guaidó está mais ou menos naquela situação do "José" do Drummond: sem passaporte, sem agenda, sem apoio, sem discurso. A luz apagou. A noite esfriou. Todos o abandonaram.
Ele caiu na sua própria cilada: saiu da Venezuela ilegalmente, tanto porque a Justiça o proibira de deixar o país onde teria que explicar sua auto-proclamação presidencial como porque atravessou uma fronteira bloqueada. Confessou ter usado roupas camufladas. Saiu pela porta dos fundos. Montou uma cilada para ele mesmo.

Botou na cabeça que voltaria à Venezuela em triunfo a bordo das 17 jamantas que iriam matar a fome de 30 milhões de venezuelanos. Apesar de saber que Maduro bloqueara a fronteira. Como ele imaginava entrar? Disparando tiros? Duelando com o exército bolivariano?

O fracasso da operação – só um babaca apostaria no sucesso – deixou Guaidó sem pai nem mãe. Seus aliados americanos já perceberam que ele não vai derrubar Maduro e já o puseram a escanteio. Como um cachorro abandonado, correu para os braços de Bolsonaro, que não sabe o que fazer com a batata quente que Ernesto Araújo pôs na sua mesa.

Guaidó achava que era o novo Simón Bolívar, mas está mais para Chapolin Colorado.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247