Chicago, é um crime não assistir

Confesso, foi o meu primeiro musical



São Paulo - No último sábado, fomos, eu e a Sheila, assistir o espetáculo ‘Chicago’, no Teatro Santander, em São Paulo.

Confesso, foi o meu primeiro musical. 

Sempre tive certa implicância com os musicais. A Broadway tem o talento único de transformar temas como burocracia, capitalismo, irresponsabilidade ambiental e sistemas legais abusivos, com músicas chatas, em musicais. E o pior é que, na maioria das vezes, eles fazem sucesso por aqui. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas ‘Chicago’ tem uma vantagem: o jazz. E,

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 como somos apaixonados por jazz, fomos ver.

É inspirado no jazz - estilo musical que surgiu entre 1890 e 1910 em Nova Orleans e tem suas raízes na música negra americana pouco antes de 1850 - que ‘Chicago’, o musical americano mais longevo da história da Broadway e do West End tece sua teia de sexualidade, fama, crime, luxúria e traição. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

‘Chicago - é um crime não assistir’, traz uma crítica ácida e bem-humorada do show business, trazendo à tona o tema das celebridades instantâneas, criminosos famosos e mentiras numa Chicago da década de 1920. 

Uma história universal, que traz uma discussão atemporal, atualíssima para todas as pessoas e gerações, repleto de muito jazz, figurinos originais, bailarinos talentosos e coreografias marcantes.

Arrebatador - um dos maiores clássicos dos musicais e sucesso absoluto de público por onde passa, ‘Chicago’ já foi assistido por mais de 33 milhões de pessoas em 36 países (incluindo o Brasil) ao longo de 32 mil apresentações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A peça, dividida em dois atos, nos transporta à Cook County Jail, onde duas assassinas - a recém prisioneira Roxie Hart e Velma Kelly, nome mais quente do pedaço - competem entre si para se tornarem a sensação midiática do momento, provarem sua inocência, ganharem a liberdade, para enfim realizarem  um retorno triunfal do cárcere privado, repleto de glamour e dinheiro.

Para isso, elas contam com a ajuda de ‘Mama’ Morton, uma espécie de carcereira, responsável pelas mulheres daquele bloco e que, pelo valor correto, pode dar informações valiosas ou até mesmo te conectar com Billy Flynn, o advogado mais requisitado de Chicago.

Conhecido por safar todos os seus clientes acusados de assassinatos, Billy passa a ser peça fundamental  nos casos de Roxie e Velma, enquanto transforma tudo em um verdadeiro circo na mídia.

‘Chicago’ é o segundo musical há mais tempo em cartaz  na história da Broadway, atrás somente de ‘O Fantasma da Ópera’. 

Em 2002 ‘Chicago’ ganhou uma incrível adaptação para o cinema com um elenco estrelado por Renée Zellweger, Catherine Zeta-Jones, Richard Gere, Queen Latifah, John C. Reilly, Christine Baranski, entre outros.

Assim como no teatro - onde conquistou 63 estatuetas entre as maiores  premiações do mundo - o filme foi amplamente elogiado, conquistando seis Oscars, em 2003, entre eles o de ‘Melhor Filme’. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email