Círculo Perverso do Pânico

O outro fator, não menos perturbador, é o estado de medo que nos últimos anos se espalhou claramente na consciência dos indivíduos e que se traduz em uma necessidade real de estados de pânico coletivo, aos quais a epidemia ainda oferece uma ainda uma vez o pretexto ideal

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vejam o texto de Agabbem em 26 de Fevereiro e podemos nos questionar o que pode ter acontecido de lá para cá.

Em face das medidas de emergência frenéticas, irracionais e completamente desmotivadas para uma suposta epidemia devido ao vírus corona, é necessário começar pelas declarações do CNR, segundo as quais "não há epidemia de Sars-CoV2 na Itália".

Não é só isso. No entanto, “a infecção, a partir de dados epidemiológicos disponíveis hoje em dezenas de milhares de casos, causa sintomas leves / moderados (um tipo de gripe) em 80-90% dos casos. Em 10-15% a pneumonia pode se desenvolver, cujo curso é benigno na maioria absoluta. Estima-se que apenas 4% dos pacientes necessitem de internação na UTI ".

Se essa é a situação real, por que a mídia e as autoridades se esforçam para espalhar um clima de pânico, causando um estado real de exceção, com sérias limitações de movimentos e uma suspensão do funcionamento normal das condições de vida e trabalho em regiões inteiras?

Dois fatores podem ajudar a explicar esse comportamento desproporcional.

Antes de tudo, há mais uma vez a tendência crescente de usar o estado de exceção como um paradigma normal de governo. O decreto-lei imediatamente aprovado pelo governo "por razões de higiene e segurança pública" resulta em uma militarização real "dos municípios e áreas em que pelo menos uma pessoa é conhecida por quem a fonte de transmissão é desconhecida ou em qualquer caso em que exista um caso não imputável a uma pessoa de uma área já afetada pela infecção pelo vírus ".

Uma fórmula tão vaga e indeterminada permitirá que o estado de exceção seja rapidamente estendido em todas as regiões, pois é quase impossível que outros casos ocorram em outros lugares.

Considere as sérias limitações de liberdade previstas pelo decreto:

proibição de todos os indivíduos presentes no município ou área que deixam o município ou área em questão;

proibição de acesso ao município ou área em questão;

suspensão de eventos ou iniciativas de qualquer natureza, de eventos e de qualquer forma de reunião em local público ou privado, inclusive de natureza cultural, recreativa, esportiva e religiosa, mesmo que realizados em locais fechados e abertos ao público;

suspensão de serviços educacionais para crianças e escolas de todos os níveis, bem como a frequência de atividades escolares e de ensino superior, exceto atividades de ensino à distância;

suspensão dos serviços de abertura ao público de museus e outros institutos e locais culturais referidos no artigo 101 do código do patrimônio cultural e paisagístico, nos termos do Decreto Legislativo de 22 de janeiro de 2004, n. 42, bem como a eficácia das disposições regulamentares sobre acesso gratuito e gratuito a essas instituições e locais;

suspensão de todas as viagens educacionais, nacionais e internacionais;

suspensão de processos de falência e de atividades de órgãos públicos, sem prejuízo da prestação de serviços essenciais e de utilidade pública;

aplicação da medida de quarentena com vigilância ativa entre indivíduos que tiveram contatos próximos com casos confirmados de doença infecciosa difusa.

A desproporção diante do que, segundo o CNR, é uma gripe influenza normal, não muito diferente das recorrentes a cada ano, chama a atenção.

Parece que um vez esgotado o terrorismo como causa de medidas excepcionais, a invenção de uma epidemia poderia oferecer o pretexto ideal para estendê-los além de todos os limites.

O outro fator, não menos perturbador, é o estado de medo que nos últimos anos se espalhou claramente na consciência dos indivíduos e que se traduz em uma necessidade real de estados de pânico coletivo, aos quais a epidemia ainda oferece uma ainda uma vez o pretexto ideal.

Assim, em um círculo perverso e cruel, a limitação da liberdade imposta pelos governos é aceita em nome de um desejo de segurança que foi INDUZIDO pelo mesmo governo que agora estão intervindo para satisfazê-lo.

https://ilmanifesto.it/lo-stato-deccezione-provocato-da-unemergenza-immotivata/?fbclid=IwAR0TVpdUXUjrShSxl7JGVdY6M71YfyW0KMkSDTxMzWT1E8A-M6hU0-K1R4A#

Será que após isto a Big FArma se valeu de recursos de guerra química para fazer valer a sua manipulação psicológica da percepção? Ou será isto simplesmente um efeito de manipulação de mídia, sendo as mortes na Itália a mamadeira de piroca da PANICDEMIA? A chegada de médicos chineses, cubanos e russos poderá mudar esta situação. Impressionante como se demonstra solidariedade internacional daqueles países que resistem a voracidade do ultraliberalismo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247