Coisa de preto?

“Coisa de preto” é ocupar os espaços da política, é votar em candidaturas verdadeiramente antirracistas, é tirar gente como você, Cristófaro, da política

www.brasil247.com - Camilo Cristófaro
Camilo Cristófaro (Foto: Richard Lourenço/Rede Câmara)


O vereador Camilo Cristófaro, da Câmara Municipal de São Paulo, foi desfiliado do PSB nesta quarta-feira (4) após proferir uma frase racista em uma sessão da CPI dos Aplicativos na terça-feira (3). O áudio capturado mostra o momento em que Cristófaro diz "não lavaram a calçada. É coisa de preto, né?". O vereador apelou para a “intimidade” como desculpa para a expressão racista e disse que estava conversando com um amigo enquanto participava virtualmente da sessão. 

Cristófaro não deve passar impune por mais uma atitude racista. Não é a primeira vez que o vereador age de forma violenta e criminosa. Não vamos nos esquecer que, em 2017, ele agrediu a então vereadora Isa Penna (PCdoB), que foi ameaçada e chamada de “vagabunda”. Em 2019, o vereador Fernando Holiday (Novo) foi chamado de “macaco de auditório” por Cristófaro. Essas e outros absurdos podem ser revisitados em uma simples busca na internet.

Fato é que as falas de Cristófaro revelam um racismo grotesco e temo ao imaginar o que ele - e os outros da mesma trupe - dizem quando os microfones estão desligados e quando as portas estão fechadas. A frase do vereador não foi uma piada de mau gosto ou um ato de intimidade que passou dos limites. É, sim, uma frase racista e racismo é crime inafiançável. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os mais de três séculos de escravização do povo negro no Brasil nos legaram um país estruturalmente racista, que nos marginaliza, nos oprime e nos objetifica. Os direitos nos foram negados após a falsa “abolição”. Fomos jogados das fazendas escravistas aos cortiços e favelas. A dignidade humana, social e econômica nos foi tomada. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar disso, nós construímos esse país, moldamos sua cara, seus costumes, sua cultura e colocamos cidades de pé. Somos nós que acordamos às 4 da manhã e pegamos os ônibus lotados, para passar mais de 12 horas fora de casa, ganhando um salário injusto, tudo isso para fazer girar a roda dessa economia excludente. O racismo não reconhece o que de fato é “coisa de preto”: a imensa contribuição cultural, científica e econômica da população negra na formação do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Coisa de preto” são todas as coisas. ”Coisa de Preto” é história, arte, ciência e política. São as “coisas” feitas e conquistadas por Dandara de Palmares, Machado de Assis, Luís Gama, Abdias do Nascimento, Elza Soares, Carolina Maria de Jesus, Benedita da Silva, Djamila Ribeiro, Claudete Alves, Nilma Lino Gomes, Munanga Kabengele, Silvio Almeida e tantos outros nomes que marcaram e marcam nossa história. Esses e outros recebem o respeito e reconhecimento da História que você, Cristófaro, nunca irá experimentar.

“Coisa de preto” é exigir dignidade e respeito. É recusar ser sempre o revistado pela polícia e o refém das acusações. “Coisa de preto” é acabar com o “elevador de serviço”, é ocupar as salas de aulas, os museus, os parques, os postos de chefia. Lutar por salário igual por trabalho igual é “coisa de preto”. É não se perceber acima e nem abaixo de ninguém. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Coisa de preto” é ocupar os espaços da política, é votar em candidaturas verdadeiramente antirracistas, é tirar gente como você, Cristófaro, da política. É entender que somos a maioria e derrotar um presidente racista. “Coisa de preto” é lidar com a sua sujeira, é ser excluído das políticas públicas, é ser oprimido por quem deveria nos defender e, mesmo assim, sobreviver de punho erguido e cabeça em pé. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email