Coletiva da Lava Jato foi espetáculo deprimente

Em novo artigo, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, critica o discurso do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, de que o Ministério Público Federal tem o "sonho" e o "compromisso" de que todos sejam tratados de forma igual perante à lei e acredita que a investigação é um "soluço de esperança"; "O combate permanente à corrupção é uma necessidade no mundo inteiro. Mas não pode ser mais importante do que a defesa das garantias e direitos fundamentais que separam os homens dos animais", rebate PML; citando diversas "questões incômodas" da operação, como "escutas ilegais" e "alvos selecionados politicamente", o jornalista questiona: "Para onde vamos? Isso é sonho? Qual compromisso?"

Em novo artigo, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, critica o discurso do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, de que o Ministério Público Federal tem o "sonho" e o "compromisso" de que todos sejam tratados de forma igual perante à lei e acredita que a investigação é um "soluço de esperança"; "O combate permanente à corrupção é uma necessidade no mundo inteiro. Mas não pode ser mais importante do que a defesa das garantias e direitos fundamentais que separam os homens dos animais", rebate PML; citando diversas "questões incômodas" da operação, como "escutas ilegais" e "alvos selecionados politicamente", o jornalista questiona: "Para onde vamos? Isso é sonho? Qual compromisso?"
Em novo artigo, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, critica o discurso do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, de que o Ministério Público Federal tem o "sonho" e o "compromisso" de que todos sejam tratados de forma igual perante à lei e acredita que a investigação é um "soluço de esperança"; "O combate permanente à corrupção é uma necessidade no mundo inteiro. Mas não pode ser mais importante do que a defesa das garantias e direitos fundamentais que separam os homens dos animais", rebate PML; citando diversas "questões incômodas" da operação, como "escutas ilegais" e "alvos selecionados politicamente", o jornalista questiona: "Para onde vamos? Isso é sonho? Qual compromisso?" (Foto: Paulo Moreira Leite)
Siga o Brasil 247 no Google News

Confesso que achei a entrevista coletiva do Ministério Público sobre a Lava Jato, em Curitiba, um espetáculo deprimente.

Esqueça os números, os milhões e os bilhões que, divulgados em cima da hora, ninguém é capaz de digerir, questionar e compreender em poucos minutos.

Esqueça os roteiros exibidos através de gráficos coloridos, como se fossem descobertas de caráter científico.

Ao contrário do que parece, o que importa são as palavras. Num ambiente à meia-luz, powerpoint, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa encarregada das investigações, nos informou que os procuradores acreditam que seu trabalho representa um "soluço de esperança." 

PUBLICIDADE

Disse também que a força-tarefa está comprometida com "um compromisso, um sonho." Uma comentarista da Globonews chegou a elogiar o que ouviu.

"Soluço"? "Sonho?"

Compromisso com o quê?

PUBLICIDADE

O advogado Tecio Lins e Silva, um dos grandes juristas do país, comparou o evento de ontem a uma entrevista de 1981, quando um coronel do Exército tentou convencer os brasileiros que o atentado a bomba do Rio Centro fora obra de um grupo de esquerda -- quando já era evidente que seus autores eram um capitão do Exército e um sargento, personagens do aparato repressivo empenhado em impedir a democratização do país. Tecio Lins e Silva foi contratado por um dos empreiteiros da Lava Jato. Estaria cometendo pura retórica de advogado?

Não creio. Em entrevista ao Espaço Público, que será reprisada amanhã a partir das 23 horas na TV Brasil, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), liderança do Congresso reconhecida por todos os governos de Fernando Henrique Cardoso para cá, define a Lava Jato como "uma bomba do Rio Centro no colo do governo. A diferença é que a bomba do Rio Centro explodiu só uma vez. Agora, é toda semana."

Pelo orçamento de 2016, o Ministério Público terá direito a consumir R$ 4,9 bilhões por ano -- um trimestre de lucro da Petrobras dos bons tempos -- para garantir defesa "da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis", conforme diz a Constituição. Essa é sua tarefa: defender a ordem jurídica e o regime democrático.

PUBLICIDADE

Fora das noites de sono, do divã da psicanálise e dos programas de auditório, os sonhos e as esperanças pertencem ao universo da política.

É ali, através do debate, do confronto de ideias e projetos, que um povo define seu destino -- em escolhas democráticas, em urnas. Essa é a grande conquista da história do Brasil e dos brasileiros, a vitória pétrea, que não pode ser colocada em risco sob nenhum argumento. 

O combate permanente à corrupção é uma necessidade no mundo inteiro. Faz parte da luta cotidiana de governos, que ganham e perdem nesse esforço. Reforça a lealdade entre os cidadãos e impede desvios e abusos que prejudicam a maioria da população e subordinam a democracia.

PUBLICIDADE

Mas não pode ser mais importante do que a defesa das garantias e direitos fundamentais que separam os homens dos animais, como, há exatamente 80 anos, ensinava mestre Sobral Pinto.

Quando une os jornais, Ministério Público, polícia e Justiça, a luta contra a corrupção torna-se um movimento autoritário e, até certo ponto, irresistível.

Isso porque se articula, numa mesma direção, a autoridade que pede a prisão, aquela que autoriza e aquela que executa. Sem falar nos jornais e revistas que evitarão questões incômodas, que, no Brasil de 2015, já alcançam um número considerável: escutas ilegais; alvos selecionados politicamente, prisões preventivas sem respeito pelo direito a presunção da inocência; e, agora, a comprovação de que delações premiadas podem ser refeitas sem perder a validade. É o "submundo da Lava Jato, que os grandes jornais, de modo geral, não querem trabalhar", afirma Paulo Vannuchi, que foi Secretário de Direitos Humanos no governo Lula.

Deltan Dallagnol já sugeriu que, no combate à corrupção, o Brasil adotasse o modelo de Hong Kong -- ilha que é uma colônia do Partido Comunista Chinês, próspera e autoritária, onde a população sequer tem direito a escolher seus governantes. Para Carlos Fernando de Santos Lima, procurador que um repórter da Folha descreveu como "ideólogo" da Lava Jato, a operação deve se prosseguir por muito tempo ainda, até que seja possível "refundar nossa República."

Para onde vamos? Isso é sonho? Qual compromisso?

Há menos de dez anos, a prisão de um empresário acusado de corrupção levou autoridades da época a gabar-se que a "justiça valia para todos e que banqueiros também são presos no Brasil". O discurso fez eco na cerimônia à meia-luz de Curitiba, onde se disse que a Lava Jato era uma "homenagem à igualdade."

Naquele momento, ao mandar abrir a porta da prisão, um ministro do Supremo, Eros Grau, produziu um argumento histórico: 

 -- Pior do que a ditadura das fardas é a das togas, pelo crédito de que dispõe na sociedade.

Esta é a questão.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email