Comandante do Exército agiu com prudência

"Não é razoável esperar que boa porção das Forças Armadas venha transgredir leis e a Constituição para defender golpes e ilegalidades de um governo da doença, da miséria, da incompetência e já com casos palpáveis de corrupção", analisa o deputado constituinte Vivaldo Barbosa

www.brasil247.com - General Eduardo Pazuello e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira
General Eduardo Pazuello e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado | Marcos Corrêa/PR)


Acostumado a remar contra marés temporárias, passageiras, que atingem até setores lúcidos e progressistas, desde os tempos que trabalhava de perto om Leonel Brizola, afirmo o seguinte: o Comandante do Exército agiu com prudência.

A maré de opinião de muitos setores cobra punição ao general, sem o que a disciplina e hierarquia teriam ficado irremediavelmente comprometidas.

A lei e os regulamentos não devem ser sempre aplicados em uma linha reta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É claro que esse general fez muito mal ao Exército, deixou o Comandante mal, prejudicou até o Bolsonaro. Nunca deveria ter feito o que fez. Nem ele nem Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acontece que, se o Comandante o pune, estaria igualmente punindo o Presidente. Pois Bolsonaro o levou para o caminhão, o abraçou, passou o microfone a ele, com sua costumeira irresponsabilidade. E o Presidente da República é o Comandante em Chefe do Exército. E se o Comandante pune o seu Chefe, mesmo que indiretamente, crise maior estaria aberta. Se viesse mesmo a punir o general, atingindo o Presidente, não lhe restaria a não ser pedir demissão. A crise atingiria nível maior.

Nos lembremos que ao longo da História, grandes Comandantes souberam manter sua liderança, mesmo com perdões a transgressores. De Gaulle salvou Petain da morte, terminada a Guerra, quando anulou sua execução. A autoridade do Comandante poderá não se deteriorar se souber agir em próximos episódios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A esta altura, o mais sensato é não fomentar crises de nenhuma espécie. Aguardemos as eleições, estão chegando, a campanha já começou. 

Muitos dizem, com toda razão, que os setores mais extremados dentro das Forças Armadas e das polícias estarão mais soltos, atuarão de maneira mais livre contra as liberdades e a democracia. Esses setores sempre existiram, claro que com a eleição de Bolsonaro ficaram fortalecidos. O conservadorismo sempre se utilizou deles para praticar barbaridades para manter seus privilégios: levou Getúlio ao suicídio, tentou impedir a posse de Juscelino e derrubou Jango. Atingiram seu ponto alto quando participaram da derrubada de uma Presidente eleita e honesta, colocaram um ex-presidente na cadeia e elegeram Bolsonaro.

Foi pena, é de se muito lamentar que os governos populares não tenham procurado colocar as Forças Armadas caminhando ao lado do povo brasileiro, participando dos avanços da nossa gente com menos miséria e pobreza menor, avanços na educação e moradia. Acima de tudo: o Brasil se colocando no mundo em uma posição de respeito. Deixaram as Forças Armadas soltas e influenciadas pelo atraso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um dos fatores de contenção dessa gente desvairada é o desgaste do próprio governo Bolsonaro, mediocridade, negação de seus propósitos, destemperos, o Brasil pior, os brasileiros sofrendo ainda mais. Não é razoável esperar que boa porção das Forças Armadas venha transgredir leis e a Constituição para defender golpes e ilegalidades de um governo da doença, da miséria, da incompetência e já com casos palpáveis de corrupção. Pior: que envergonha e humilha o Brasil aos olhos do mundo.

A situação de Bolsonaro, com este episódio, é pior, mais enfraquecida nas Forças Armadas.

Além disso, a política é fator de contenção, mesmo empobrecida como se encontra, com atores tão fracos, mas que de vez em quando se manifesta, como vemos na CPI. E as eleições. As eleições serão o desaguadouro de todas as forças de atuação política e das nossas esperanças. A direita estará na campanha de Bolsonaro. As forças populares, com Lula. E ainda algumas correntes na rabeira. Mas todos na eleição.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email