Combater a porcaria do PIG, às vezes, dá muita “dor de cabeça”

A grande exposição do nome do deputado André Vargas e minha militância no PT fez com que eu me tornasse alvo de uma das maiores armas de destruir reputações que existe na América Latina, a revista Veja

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Combater a porcaria do PIG às vezes traz alguns problemas, mas a luta compensa. Atuei na militância estudantil no Grêmio na minha escola, fui da direção da entidade estudantil de Londrina, a ULES, e militante dos Direitos Humanos. Atuo na blogosfera desde 2007, com o Blogue Ideia Certa. Sou militante político, filiado ao PT desde 2001, e trabalho com publicidade desde que me entendo por gente. Nos últimos 9 anos tenho atuado profissionalmente na assessoria politica, fui assessor da Prefeitura de Londrina e trabalhei na Câmara dos deputados em Brasília sempre na área da comunicação. Pois bem, este ultimo trabalho no qual desempenhei por mais de 4 anos, na Câmara dos Deputados, na assessoria do deputado federal André Vargas, meu companheiro do PT desde minha época de movimento estudantil, resultou em uma das maiores batalhas da minha vida.

A grande exposição do nome do André, hoje vice-presidente da Câmara, junto com minha constante militância política na internet em defesa do PT, partido que milito com muito orgulho desde os 16 anos de idade, fez com que eu me tornasse alvo de uma das maiores armas de destruir reputações que existe na América Latina, um lixo panfletário, com uma linguagem muitas vezes fascista, comandada por um grupo internacional que entre outras defendeu o Apartheid na África do Sul: a revista Veja. As artimanhas sujas de jornalistas bem pagos resultaram em 3 publicações, uma no mês de março, outra no mês de maio e outra em junho deste 2013. Todas as matérias, no meio da revista com duas páginas cada, diagramadas com fotos enormes minhas e do deputado André Vargas, citando uma serie de mentiras sobre minha vida politica e profissional, mentiras estas que não resultaram em um B.O em nenhuma denúncia formal na Justiça deste país!

A maior repercussão foi aqui na minha cidade (Londrina) e na Câmara dos Deputados através de um deputado federal do PSDB paulista, que fez um pedido de informação para a Caixa Econômica Federal do qual até hoje ninguém divulgou o resultado! A Caixa Econômica Federal, estatal qual eu teria tentado lesar (segundo a revista), por sua vez, mandou uma nota para a mesma desmentindo toda a matéria, nota esta que foi publicada em letras minúsculas na seção de cartas da r(ai)vista.

Mesmo assim a Veja inventou outra acusação, desta vez mais sem pé nem cabeça, tanto que também não resultou em nenhuma ação, sequer do MP ou de qualquer instância do Judiciário. Só que lutar contra um lixo editorial, distribuído em todos os cantos deste país, disponível em escolas, salões de cabeleireiros e etc. causa um dano irreparável à minha história de vida. Sempre surge alguém perguntando ou já me acusando com base no que saiu na revista, que já teve até como pauteiro um dos maiores criminosos do Brasil, o Carlinhos Cachoeira.

Estou na Justiça lutando contra uma instituição representada por um "batalhão" de advogados, que "transitam bem" em todas as instâncias da morosa Justiça seguindo a regra do capitalismo que impera no nosso "democrático" Poder Judiciário. Mas garanto: a luta compensa, porque a cada questionamento eu desconstruo, por "A+B", toda a armação porca da Veja em minutos de diálogo e tenho a oportunidade de alertar mais alguém sobre como funciona o jogo sujo da velha mídia no Brasil. O recado que deixo aos jornalistas e aos demais indivíduos que atuam no esgoto da mídia tramando contra minha história é o de que só tenho 28 anos de vida e até o último dia que Deus me der aqui na Terra vou estar de cabeça erguida, pronto para o embate!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247