Comitês populares e frente democrática são as chaves da vitória em 2022

São indispensáveis os esforços pela aliança entre as forças progressistas e o estímulo ao protagonismo popular, escreve o jornalista José Reinaldo Carvalho

www.brasil247.com - Lula representa as esperanças do povo
Lula representa as esperanças do povo (Foto: Ricardo Stuckert)


Os mais importantes fatos da pré-campanha eleitoral até agora revelam as flexões táticas e estratégicas das forças de esquerda e dos movimentos sociais que podem ter incidência não apenas na batalha eleitoral, mas também no futuro da organização popular e dos próprios partidos progressistas. 

É auspiciosa a proposta de criação de cinco mil comitês populares, assim como têm sentido progressivo os entendimentos para a criação de uma federação de partidos que abarque formações de esquerda e centro-esquerda, malgrado os obstáculos ainda existentes. 

O MST (Movimento Sem Terra) anunciou que vai organizar a partir das próximas semanas ações em locais de trabalho, bairros, universidades e escolas em busca apoio à campanha de Lula à Presidência da República. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com isso, ganharão força na campanha os Comitês Populares Lula Presidente, em que se reunirão os movimentos sociais e os partidos políticos progressistas.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A movimentação do MST reforça a iniciativa anunciada pelo Partido dos Trabalhadores de criar cinco mil comitês populares. 

Igualmente, em diferentes canais das redes sociais os militantes e quadros comunistas mostram sua disposição, bem como das organizações sociais em que exercem influência e direção, para, tão logo esteja concluída a etapa da criação da federação partidária, assentadas as orientações programáticas da campanha e formatada a coalizão nacional que apoiará Lula, somar forças para assegurar a realização de uma campanha popular que seja a marca principal da virada democrática do país.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

São fatos alvissareiros, porquanto a decisão de criar os comitês populares corresponde ao desafio de desatar as energias criadoras do povo, até agora represadas devido a diferentes fatores. A mobilização popular é a força motriz de toda mudança progressista, seu fator decisivo. O povo organizado e mobilizado é o vetor principal da ação das forças políticas que têm por missão realizar transformações de fundo no país. Na falta de ligação profunda com o povo reside uma das razões de sucessivas derrotas que a esquerda sofreu nos últimos tempos, contrariamente ao que esta necessitava exercitar como linha política e método de direção. Ao invés da rotina institucional e eleitoreira, as forças que têm por missão histórica construir uma nova sociedade, começando pela reconstrução nacional, devem tomar como divisa o princípio elementar "do povo, pelo povo e para o povo", o que remete à opção de ligar-se às massas, recolher seus sentimentos, sentir suas dores, ouvir seu clamor, sistematizar suas reivindicações, tomá-las como a matéria prima para formular as ideias-força de um programa transformador, tendo como ponto de partida a plataforma da campanha presidencial.  

Isto se ressalta com força na campanha que se inicia. Trata-se de derrotar o governo de extrema-direita e golpista, o qual tem reservas estratégicas, poder de mobilização, forças armadas e milicianas, um arsenal de medidas políticas, econômicas, administrativas e se mostra disposto a ir até às últimas consequências no recurso a meios ilegais e violentos para impor sua continuidade. Em uma luta com tal envergadura não se pode pensar no povo como objeto, mas como o sujeito que, uma vez que tenha sua consciência e energias criadoras despertadas, poderá transformar-se em uma incontível força política. 

A criação de milhares de Comitês Populares de Luta, a mobilização das massas populares em seus locais de moradia e trabalho pode gerar uma dinâmica nova no país e até mesmo a formação de um novo sujeito político com mais amplitude e organização do que os partidos políticos, entrelaçado com a ação destes. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da mobilização e organização popular, o Brasil precisa mais do que nunca de uma organização política e social unitária, a germinal frente popular, como expressão organizada dos mais profundos anseios nacionais e populares. 

Dar passos nessa direção corresponde a uma nova estratégia e tática que pode ter alcance para além da luta estritamente eleitoral, capaz não só de vencer a batalha do voto, como também de assegurar a governabilidade em caso de vitória das forças progressistas. Esses comitês populares podem ser o embrião de um amplo movimento político que, recolhendo as experiências históricas de momentos pregressos da luta do nosso povo, venha a se tornar um poderoso movimento popular organizado.  

Paralelamente a isso, desenvolve-se o outro vetor importante da estratégia e tática das forças consequentes da esquerda: a criação da unidade de amplas forças democráticas, populares, patrióticas e progressistas, nucleadas pela esquerda. Há experiências anteriores da existência de tal frente, para citar as mais importantes a que se formou nas campanhas pelas Diretas Já! (1994) e a Frente Brasil Popular em torno da primeira candidatura de Lula à Presidência (1989). Hoje, a unidade democrática e popular pode adquirir expressão na forma da federação partidária, uma oportunidade que as forças consequentes da esquerda não deveriam desperdiçar. A federação reunindo hoje partidos de esquerda e centro-esquerda pode criar uma dinâmica nova na campanha eleitoral e se tornar um fator decisivo para dar governabilidade no caso de vitória. 

Em 1989, Lula, João Amazonas e Miguel Arraes atuaram com a convicção de que "a unidade é a bandeira da esperança". Com toda a experiência vivida e mais ainda com os traumas e derrotas acarretados pelo golpe de 2016 e o advento da extrema-direita ao poder político, são maiores as razões conducentes ao desprendimento de esforços pela unidade entre as forças progressistas e à criação de mecanismos de incorporação dos movimentos populares nesta aliança.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email