Companheiro Boulos, você conhece o programa do PT?

"A reação de Guilherme Boulos- que disse que não é hora de apresentar nomes, e sim ideais- nos dá a oportunidade de divulgar um conjunto delas que apresentamos em setembro de 2020, com o Plano de Reconstrução e Transformação do Brasil", escreve o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG)

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O atrito gera movimento e o anúncio de que Fernando Haddad é o nome do PT à disposição do país- e, consequentemente, dos progressistas para a discussão de uma grande frente democrática- movimentou o debate sobre a sucessão de Bolsonaro.

Isso é extremamente positivo. A reação de Guilherme Boulos- que disse que não é hora de apresentar nomes, e sim ideais- nos dá a oportunidade de divulgar um conjunto delas que apresentamos em setembro de 2020, com o Plano de Reconstrução e Transformação do Brasil, que considero um dos mais avançados documentos já elaborados pelo partido. 

Além de medidas urgentes para o enfrentamento da pandemia, ali estão, o que se pode chamar da tão pedida, por alguns, “autocrítica”, uma vez que faz balanço dos nossos governos e reconhece a necessidade de avançar muito, por exemplo, na defesa de um modelo tributário progressivo, direto, e que faça justiça.

O plano não é eleitoral ou de governo. Não pensa em 2022, e sim em 2021. Haddad será o nosso nome para divulga-lo e defende-lo, mas não acharíamos ruim se Bolsonaro copiasse a nossa proposta de criar cinco milhões de postos de trabalho, com contratação por seis meses, de pessoas que estejam desempregadas e não recebendo o seguro-desemprego, ou que retomasse obras públicas, a fim de garantir trabalho, infraestrutura e reativar a economia.

Da mesma maneira, não fazemos questão da paternidade de projetos como o Fundo Nacional de Combate ao Racismo, e de outras medidas antirracistas, e de garantia de políticas públicas para as demais populações historicamente excluídas no Brasil; as mulheres, os homossexuais e as populações indígenas, quilombolas e ribeirinhas.

O PT está muito mais avançado do que muitos setores pensam em um debate fundamental; a transição ecológica para uma economia sustentável e de baixo carbono. Está no programa do PT a redução da emissão dos gases de efeito estufa e a mudança da matriz energética, além do investimento na geração de energias renováveis: solar, eólica e de biomassa.

Não se pode ter compromisso com o anacronismo. A preocupação com a mobilidade urbana, com a renda básica, com a agroecologia, e com comida saudável para todos e todas, além de pensarmos uma nova indústria para o Brasil- uma indústria 4.0- deve ser preocupação de todos os partidos de esquerda. E os maiores e mais antigos precisam se atualizar.

O PT, infelizmente, não conta com uma justa cobertura da grande imprensa e, não por acaso, suas ideias para o país, o seu projeto e mensagem, não chegam para a população e até mesmo para parcelas da esquerda com quem lutamos juntos diariamente.

Talvez por isso Boulos tenha estranhado ouvir o nome de Haddad como possível presidenciável, embora o próprio Boulos tenha sido praticamente lançado pelo presidente do seu partido logo depois que as últimas eleições para a Prefeitura de São Paulo terminaram. 

Os nomes já postos não impedem que haja uma frente de esquerda e um candidato único no ano que vem. O que não se pode questionar é a legitimidade do PT apresentar suas ideias e um possível nome. 

Para quem prioriza ideias aos nomes, nomes não assustam. São sempre bem-vindos. Haddad será o nosso camisa 10, assim como Boulos é o 10 do PSol, Ciro é o 10 do PDT  e Flávio Dino é o 10 do PCdoB.

Em 1970, não eram quatro camisas 10 que se adequaram em campo para jogarem juntos e conquistarem o Tri Mundial pro Brasil. Eram cinco! Jairzinho, Gérson, Tostão, Rivellino e ... Pelé! Quem sabe, com a devolução dos direitos políticos de Lula, o Brasil possa contar com mais um camisa 10 para 2022.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email