Compreendendo a bem sucedida estratégia econômica socialista de Maduro

Economia venezuelana não está "abraçando o capitalismo"

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


Artigo publicado no jornal britânico Morning Star

Em sua intensa cobertura tendenciosa da Venezuela durante os difíceis anos de 2014-21, os principais meios de comunicação social se aglomeraram em todos os imagináveis fundos acadêmicos para "demonstrar" que os males econômicos do país foram o resultado do Presidente Nicolas Maduro supervisionando o deslizamento da Venezuela "para o autoritarismo e o colapso econômico" (The  Guardian, 24 de janeiro de 2019) e não das cruéis sanções dos EUA.

Em 2019, o jornal The  Economist, por exemplo, alinhado com a política dos EUA, publicou na capa uma foto de  Juan Guaidó com os punhos fechados levantados com o título "a batalha pelo futuro da Venezuela", postulando "as democracias mundiais estão certas em buscar mudança [do governo]". Muito raramente a grande mídia ou os especialistas mobilizados deram algum peso significativo às mais de 500 medidas coercitivas unilaterais ilegais e criminosas (também conhecidas como sanções) infligidas à Venezuela e ao seu povo pelos EUA e seus cúmplices europeus e latino-americanos.

A guerra econômica americana - o bloqueio quase total de sua economia - levou a uma redução de 99% de sua renda, forçando a Venezuela viver com 1% de sua renda do período pré-sanções.

Dada a atual evolução mundial (a bagunça que os esforços americanos para deter seu declínio estão infligindo na economia mundial) e a inegável recuperação econômica da Venezuela, o jornal The Economist está agora  publicando artigos com títulos  como "Será que a Venezuela pode ajudar o Ocidente a se desmamar do petróleo russo?”

Vemos agora os principais meios financeiros mundiais competindo entre si na previsão de quanto a economia da Venezuela crescerá em 2022, com porcentagens que variam de 4 a 20 por cento. Isto confirma o sucesso de Maduro em conduzir seu país para fora da forte recessão, da hiperinflação, da grave escassez, do colapso das exportações e de oito anos consecutivos de contração do PIB induzida externamente.

Além disso, a força econômica e agora política da Venezuela levou uma UE envergonhada a finalmente desreconhecer Guaido como "presidente interino", com muitos países seguindo o exemplo. Maduro - sobre cuja cabeça os EUA colocaram uma recompensa de US$ 15 milhões - obteve o reconhecimento de fato como o verdadeiro e único governo da Venezuela pelos próprios EUA.

Entretanto, a grande mídia tem sido rápida em atribuir a recuperação econômica da Venezuela à natureza supostamente capitalista de sua estratégia. Uma artigo no raivoso jornal anti-Chavista espanhol El Pais (26 de maio de 2022) caracterizou a recuperação da Venezuela como um "capitalismo desenfreado".

Esta falsa visão contaminou tristemente uma pequena e marginal parcela da esquerda venezuelana que acusa maliciosamente o governo venezuelano de se vender ao neoliberalismo e trair os princípios de Hugo Chávez. Isto não é apenas falso, mas totalmente absurdo.

Qual foi a visão de Chávez? O artigo 299 da Constituição Bolivariana de 1999, idealizado por Chavez, estipula "O Estado, juntamente com a iniciativa privada, promoverá o desenvolvimento harmonioso da economia nacional, com o objetivo de gerar  fontes de emprego, uma alta taxa de valor agregado doméstico, elevando o nível de vida da população e fortalecendo a soberania econômica do país".

Além disso, no Plano de Desenvolvimento Sócio-Econômico da Nação de Chávez (2001-07) este princípio norteador é combinado com o objetivo de maximizar o bem-estar coletivo através da expansão da democracia e de padrões de vida mais elevados, visando uma distribuição justa da riqueza nacional. Este modelo busca adicionalmente a diversificação econômica e está aberto aos mercados internacionais, mas se baseia em uma forte presença estatal em indústrias estratégicas onde a iniciativa privada participa.

Até mesmo a reforma constitucional radical de Chávez - derrotada no referendo de 2007 - consagrou o desenvolvimento de empresas mistas público-privadas e reconheceu estas como duas das cinco formas de propriedade. Entretanto, constitucionalmente, é confiada ao Estado a responsabilidade de proteger a indústria e a agricultura nacionais da concorrência desleal.

Chávez não se desviou - nem Maduro jamais se desviou - destes parâmetros.

Além disso, a política econômica é desenvolvida e implementada no contexto do monopólio estatal sobre as principais fontes de renda externa do país (petróleo, ouro, minerais raros, comércio exterior, etc.), o que, devido à destreza do governo, apesar da persistente agressão econômica dos EUA, tem produzido resultados impressionantes.

Em seu discurso de 2021, Maduro relatou que a economia da Venezuela havia crescido 7,6%, o comércio exterior havia aumentado 33%, as famílias haviam aumentado seu consumo em 4,9%, havia 60-70% de auto-suficiência alimentar (mais de 90% em 2022), com mais de 90% do que vai para as caixas CLAP (programa estatal de distribuição de alimentos) sendo produzido domesticamente, a inflação foi reduzida a um único dígito e a escassez de alimentos e outros itens havia desaparecido.

Além disso, em recente visita a vários países eurasianos (Turquia, Argélia, Irã, Kuwait, Qatar e Azerbaijão) Maduro expandiu habilmente os parceiros comerciais da Venezuela no mundo (com China, Rússia e Irã já entre os mais importantes). O efeito combinado dos enormes ativos da Venezuela e das zonas econômicas especiais e anti-bloqueio tornou a economia nacional atraente para investimentos estrangeiros.

Dois fatores se destacam na revitalização econômica da Venezuela: a digitalização de sua economia e o crescimento explosivo das pequenas e médias empresas produtivas. Em 2020 houve 121.432.000 transações digitais - que subiram para 201 milhões em 2021, cobrindo 80% do total das transações domésticas (para ser muito maior em 2022). Saren, o órgão responsável pelo registro de pequenas empresas, informa que 7.657 registraram em 2020, 19.284 em 2021 e 13.096 até o final de maio de 2022.

Ambos estes desenvolvimentos foram vigorosamente encorajados pelo governo bolivariano com sua expansão e consolidação muito facilitada pelo Cartão da Pátria - uma identidade de QR personalizada disponível a todos os cidadãos - e uma política generosa de crédito estatal para novos pequenos empreendedores.

O consumo doméstico foi ampliado através de uma série de bônus (Natal; gasolina; economia familiar; mulheres lactantes e grávidas, mães solteiras, idosas, jovens aprendizes e muito mais), todos pagos eletronicamente. Além disso, 76% do orçamento nacional foi dedicado às despesas sociais em 2021.

Assim, a Venezuela Bolivariana garantiu a segurança alimentar a todos - mas particularmente a seus cidadãos mais vulneráveis; protegeu a população da devastação da pandemia de Covid-19 e manteve os principais serviços públicos funcionando; contornou habilmente o campo minado global de sanções dos EUA, inclusive desafiando a proibição de comércio dos EUA com o Irã, Rússia, China e outros; aumentou as exportações de petróleo e outras commodities, atraiu capital estrangeiro, garantindo ao mesmo tempo a preeminência do Estado sobre tais investimentos para proteger a soberania nacional; sustentou e expandiu o consumo interno, ao mesmo tempo em que colocou a hiperinflação sob controle e entregou 4,1 milhões de novas casas.

A Venezuela conseguiu tudo isso enquanto, ao mesmo tempo, expandiu, fortaleceu e deu poder às organizações de massa da classe trabalhadora, dos camponeses e dos órgãos comunitários de base não apenas como um meio de mobilização política de massa, mas como um dissuasor para as aventuras militaristas e terroristas desencadeadas da Colômbia pelo mecanismo de "mudança de regime" de Washington. Este é o socialismo bolivariano em ação.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email