Consequências principais da privatização da Eletrobrás

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters | Reprodução)


Entenda uma coisa sobre a conta de luz: ela agora está ficando mais cara por causa da estiagem. A primeira razão disso é que os últimos governos neoliberais, inclusive o atual, não fizeram investimentos públicos suficientes em geração energética, seja em hidrelétricas seja em energias renováveis (vento e sol). Com isso, o consumo de energia elétrica fica necessariamente mais caro porque o volume adicional de que se necessita para entrar na rede provém de origens térmicas, petróleo e carvão, muito mais caras e mais poluentes.

Entenda agora uma perspectiva ainda pior. O governo está esperando receber com a privatização de grande parte da Eletrobrás R$ 60 bilhões. Isso significa que empresários privados que passarão a controlar a empresa despenderão esse valor para comprá-la. Ora, quando faz um investimento, o empresário naturalmente quer recuperar o dinheiro investido no menor prazo possível. Isso significa que o setor privado, que terá o controle da Eletrobrás, exercerá todas as pressões, legais ou não, para recuperar com aumento da tarifa aquele valor.

Quando se faz um investimento novo, é natural que o empresário gastará um razoável período de tempo para construí-lo – uma hidrelétrica, por exemplo -, até que comece a colocar no mercado os produtos e serviços que o empreendimento vier a render. Claro, ele não poderá recuperar o investimento de um dia para o outro. Terá que programar seus preços num nível aceitável pelo consumidor para recuperá-lo a médio ou longo prazo, na medida de lucros também razoáveis. Não é o que acontece quando privatiza um investimento pronto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse caso, os empresários vão querer receber no mais curto prazo possível o dinheiro que investiram na compra. Portanto, o montante de R$ 60 bilhões começará a incidir sobre a tarifa de energia elétrica imediatamente depois da privatização, ao longo do tempo mais curto que impuserem, por determinação dos novos controladores da Eletrobrás. Note-se que, com a privatização, a empresa abrirá mão do controle dela, repassando-o ao mercado privado. O consumidor pagará a conta numa tarifa muito superior à tarifa vermelha que pagamos hoje.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro ponto é que as hidrelétricas da Eletrobrás, inclusive sua metade de Itaipu, já estão amortizadas. Isso significa que o investimento feito nelas já foi pago com tarifas ao longo do tempo e seu único custo para produzir energia é o custo operacional, ou seja, salários e reparos secundários. Infelizmente, a verdadeira zorra privatizante que se fez no nosso sistema elétrico desde Fernando Henrique repassou para o setor privado que entrou no sistema grande parte dessas vantagens. Agora vai o resto, em prejuízo de novos investimentos.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não é só isso. A conta de luz mais cara incidirá sobre todas as cadeias produtivas da economia, jogando para o alto os preços de todos os bens e serviços produzidos com energia elétrica. A inflação vai subir dramaticamente. E tudo isso para que Paulo Guedes e Bolsonaro satisfaçam um apetite privatizante altamente suspeito, tendo em vista as amplas possibilidades de vazamentos, trambiques, fraudes e corrupção no processo. Veja, a propósito, o que está acontecendo com a madeira apreendida pela Polícia Federal na Amazônia!

E ainda não é só isso. Com a privatização, as bacias hidrográficas que alimentam as hidrelétricas brasileiras, metade das quais pertence à Eletrobrás, passarão a mãos privadas. Isso significa que a busca do lucro a qualquer custo dominará as decisões da empresa sobre o uso estratégico das bacias, inclusive para agricultura e pesca, sem qualquer consideração dos interesses empresariais e públicos desses setores. Por outro lado, o próprio gerenciamento do setor elétrico passará a mãos que não tem tradição nessa área, cortando custo de pessoal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste momento não sei se o Senado aprovou o infame projeto que saiu da Câmara. Se aprovado, provavelmente Bolsonaro escolherá suas piores partes para o sancionar. Talvez caiba apelo ao STF, não sou especialista nisso. Em todo caso, estaríamos diante de atos de alta traição ao povo e ao país por parte da maioria do Congresso, e do Presidente da República. Seria necessário esperar eleições, eleger um novo governo e um novo Congresso, para anular tudo isso com um ato revogatório popular e cobrar dos responsáveis a devida indenização.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email