Convite aos que resistem

Temos que ampliar o movimento de oposição ao ultra liberalismo econômico, aos valores conservadores que impõem agravamento das desigualdades sociais. O que está em jogo é o futuro do povo de seus filhos e netos

Convite aos que resistem
Convite aos que resistem
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Quem nos conhece, já sabe: temos feito de nosso mandato um espaço plural, democrático, comprometido com a resistência, em defesa da nossa cidade e de um Brasil mais soberano, mais democrático e popular, como tem que ser todo mandato do PT.

Hoje quero fazer um convite: vamos às ruas amanhã? Tenho certeza de que os motivos são muitos. Vamos refletir sobre eles, começando pelas manifestações do último domingo, 26 de maio, convocadas pelo presidente da República para defender sua proposta de Reforma da Previdência.

Depois de endossar em seus grupos no Whatsapp um texto que falava abertamente em ruptura institucional, as manifestações ecoaram o tom do presidente e acabaram sendo também contra o Congresso Nacional e contra o STF, apelo inconstitucional que se tornou uma ameaça à democracia.

Diga-se de passagem, a micareta fascista não foi uma manifestação espontânea, embora fosse apresentada assim por algumas TVs que como empregadoras e defendendo o interesse de seus patrocinadores, são a favor da Reforma da Previdência por motivos óbvios. Afinal, por que gastar com a classe trabalhadora se podem aumentar seu capital?

Quem foi às ruas e patrocinou o evento por todo país, com a distribuição de bandeiras, camisetas, e grandes trios elétricos, foi a extrema direita, o núcleo duro bolsonarista e empresários, os mesmos que financiaram a campanha presidencial. Mas o que esse governo nos oferece hoje?

Além da pavorosa Reforma da Previdência, o governo cortou 30% da verba das universidades e institutos federais, suspendeu bolsas de pós-graduação, feriu a ciência e a tecnologia e ataca o ensino em todo País, ao mesmo tempo em que autorizou a população a se armar e prepara megalicitação para gastar R$ 444 milhões na compra de mais de 100 mil pistolas para a Força Nacional de segurança e polícia civil dos estados. E é por isso que faço a vocês o convite para irmos às ruas amanhã.

Irmos às ruas significa se posicionar contra o desmonte da educação pública, significa dar ênfase à nossa participação organizada nas lutas sociais, significa combater este estado de exceção que avança sobre os nossos direitos. Ir às ruas será uma ação importante para a mobilização do dia 14 de junho, que vem em seguida, focada em impedir que a Reforma da Previdência aconteça, porque da forma em que está colocada não se trata de uma reforma, e sim da retirada de direitos em favor dos bancos.

Temos que ampliar o movimento de oposição ao ultra liberalismo econômico, aos valores conservadores que impõem agravamento das desigualdades sociais. O que está em jogo é o futuro do povo de seus filhos e netos.

Os mais jovens são o que mais sofrem com o desemprego e agora perdem o direito à educação, enquanto os mais idosos perdem a aposentadoria e veem despencar os valores do Benefício de Prestação Continuada (BPC), entre tantas outras perdas.

Por isso digo que temos que resistir ao ataque à educação, resistir em favor da aposentadoria e contra a Reforma da Previdência. Por isso, pergunto aos movimentos, à militância, aos trabalhadores da educação e das demais áreas: aceitam o meu convite? O Brasil nas ruas em defesa da Democracia e da Educação. Vamos às ruas amanhã!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247