Corvos alçam voo: atiradeiras neles

Querem tomar de assalto a presidência, dizer a Dilma o que fazer; dar ordens ao presidente do Senado sobre a tramitaçãoo do impeachment na Casa; escolher novos ministros e divulgar seus nomes na grande mídia aliada do golpe

26/11/2015 - Brasília - DF - O senador Aécio Neves, durante reunião da Executiva Nacional do PSDB. Foto: George Gianni/ PSDB
26/11/2015 - Brasília - DF - O senador Aécio Neves, durante reunião da Executiva Nacional do PSDB. Foto: George Gianni/ PSDB (Foto: Chico Vigilante)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A oposição brasileira é feita de corvos. Na mitologia estes pássaros de plumagem negra são vistos como portadores de maus presságios. Os daqui são piores,  desejam e praticam o mal do Brasil.

Sempre fui de esquerda mas a cada dia que passa, como brasileiro, fico mais envergonhado com o comportamento da direita no Brasil.

Tramam, traem e não querem nem mesmo aguardar pelo desfecho do processo de impeachment para tomar o poder e iniciarem o processo de desmonte dos 13 anos de governo petista.

Querem tomar de assalto a presidência, dizer a Dilma o que fazer; dar ordens ao presidente do Senado sobre a tramitaçãoo do impeachment na Casa; escolher novos ministros e divulgar seus nomes na grande mídia aliada do golpe.

Eduardo Cunha, o corrupto mor do Brasil, ousou dizer  que se Renan não imprimir um ritmo acelerado ao processo no Senado, na Câmara nada de importante para o governo será colocado em votação.

E o Brasil amordaçado. Ninguém demonstra indignação. Cunha, um Ali Baba e seus  ladrões, além de comandar um processo de impeachment sem crime, agora quer continuar a  ditar as regras no Senado como se a Casa não tivesse comando.

A Nação brasileira está perplexa com a audácia e a criatividade do bando de corvos. O Solidariedade, partido do deputado Paulinho da Força pediu à Justiça Federal que impeça a presidente Dilma de viajar aos EUA para participar da cerimônia de assinatura do Pacto de Paris, na ONU.

Aliados de golpe, o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino, e o senador tucano Cássio Cunha Lima também querem impedir  que Dilma vá à ONU porque temem que ela use a tribuna para denunciar ao mundo o golpe.

Quem são estes três que querem impedir que uma presidenta eleita por 54 milhões de votos  exerça seu papel constitucional como presidenta do Brasil?

Paulinho virou réu no STF,  acusado de desvio de dinheiro do BNDS e a PGR pede sua condenação por crime contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Pauderney Avelino foi condenado pelo TCE-AM por desvios de R$ 4,6 milhões, e o tucano Cássio Cunha Lima foi cassado quando era governador da Paraíba sob acusação de compra de votos nas eleições de 2006.

São esses homens que estão dando as cartas no Brasil sob os olhos complacentes da Justiça. E querem nos convencer que o juiz Moro é o salvador da pátria que vai acabar com a corrupção no Brasil.

O que Moro está fazendo é levando a falência as grandes construtoras brasileiras, desempregando milhares de trabalhadores, para dar espaço às construtoras americanas. 

O que Moro está fazendo é revirando a contabilidade das grandes empresas brasileiras numa busca direcionada de ligação com o PT, Lula e Dilma. As mesmas ligações com os partidos de oposiçãoo não importam a Moro porque fogem de sua tese de provar que somente o PT é o mal do Brasil.

Basta de hipocrisia. Dilma deve sim denunciar ao mundo o golpe mascarado de processo legal que a direita brasileira quer fazer passar. Não nos calarão. Vamos resistir nas ruas, gritar aos quatro cantos do Brasil que  os facistas não passarão. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247