Crianças yanomami foram vítimas também de estupros e assassinatos

Assassinar deliberadamente e praticar estupro são a rotina de criminosos que atuam, nos territórios yanomami, escreve João Negrão

www.brasil247.com - Invadida por garimpeiros e abandonada pelo governo Bolsonaro, Terra Indígena Yanomami sofre com malária, contaminação por mercúrio e desnutrição severa
Invadida por garimpeiros e abandonada pelo governo Bolsonaro, Terra Indígena Yanomami sofre com malária, contaminação por mercúrio e desnutrição severa (Foto: Condisi-YY/Divulgação)


Por João Negrão

A crianças yanomami não são vítimas apenas de fome, desnutrição e doenças. Elas foram, nos dos últimos quatro anos do governo genocida de Bolsonaro, também vítimas de assassinatos sumários e estupros. Esta situação vinha sendo denunciada desde sempre pelo grupo de estudos O Direito Achado na Rua, da Universidade de Brasília (UnB).

A última denúncia ocorreu um pouco mais de seis meses antes, em meados do ano passado, quando, no programa O Direito Achado na Rua, pela TV 61, o professor Assis da Costa Oliveira denunciava veementemente a situação trágica das crianças yanomami, sendo dizimadas pela fome em seus territórios invadidos por garimpeiros.

Na entrevista ao programa, o professor Assis da Costa Oliveira, da Universidade Federal do Pará (UFPA) e da Universidade de Brasília (UnB), membro do grupo de estudos O Direito Achado na Rua, denunciou que além das mortes por desnutrição e doenças, as crianças indígenas estavam sendo sumariamente assassinadas e até estupradas.

O professor Assis Oliveira é um estudioso das questões que envolvem crianças e adolescentes. Ele é vinculado ao Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da UnB e é um dos coordenadores da Mobilização Nacional em Defesa de Crianças Indígenas.

Um dos episódios que motivaram a criação da Mobilização foi justamente o estupro e morte de crianças yanomami por garimpeiros. Contudo, as crianças indígenas estão sendo constantemente ameaçadas dentro e fora de seus territórios devido ao avanço de grandes empreendimentos, garimpos, extrações de madeira e a usurpação das terras.

Não é de agora, dos últimos quatros anos, que os territórios dos yanomami sofrem as agressões registradas. Elas foram agravadas pela posição de descaso de Jair Bolsonaro e sua política de favorecer os agressores ao meio ambiente – madeireiros, garimpeiros e todo o tipo de criminosos que devastam a Amazônia e trucidam seus povos originários.

 A diferença agora é que tivemos um presidente da República que até o último segundo de seu governo optou pela devastação e pelo descaso com as vidas dos indígenas.

O noticiário dos últimos dias focou quase que exclusivamente na tragédia da fome, da desnutrição e das doenças. Zero na informação de que a presença de garimpeiros nos territórios yanomamis (e não apenas deles, já que as atividades garimpeiras e criminosas avançam por outras áreas) tem provocado crimes ainda mais graves, como os assassinatos e os estupros.

O genocídio do governo Bolsonaro é ainda mais grave. Ele e toda a sua estrutura governamental ignorou todos os pedidos de socorro e permitiu que crianças e adolescentes fossem relegados ao bel-prazer os facínoras.

Assassinar deliberadamente e praticar estupro são a rotina de criminosos que atuam, nos territórios yanomami e em outras terras de povos originários.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247