Criminalização de “rolezinhos” gera explosão de racismo na internet

Essa mesma criminalização dos "rolezinhos" foi a senha a estimular jovens a postarem comentários com termos como "Negrada" e "baianada" nas redes sociais

www.brasil247.com - Essa mesma criminalização dos "rolezinhos" foi a senha a estimular jovens a postarem comentários com termos como "Negrada" e "baianada" nas redes sociais
Essa mesma criminalização dos "rolezinhos" foi a senha a estimular jovens a postarem comentários com termos como "Negrada" e "baianada" nas redes sociais (Foto: Eduardo Guimarães)


A criminalização de que o movimento desorganizado dito "rolezinhos" foi alvo por ação de textos recriminatórios da grande imprensa e da decisão judicial que permitiu aos shoppings de São Paulo promoverem, sob critérios obscuros, triagem de quem podia ou não ingressar nesses empreendimentos comerciais gerou uma onda de racismo nas redes sociais.

Essa mesma criminalização dos "rolezinhos" foi a senha a estimular jovens a postarem comentários com termos como "Negrada" e "baianada" (forma como classe média paulista se refere a nordestinos) naquelas redes sociais sem demonstrarem qualquer preocupação.

Em 1951, foi promulgada a Lei 1390/51, mais conhecida como Lei Afonso Arinos. Proposta por Afonso Arinos de Melo Franco, proibia a discriminação racial e a separação de "raças" diferentes que, até então, era aceita.

A lei Afonso Arinos acabou se revelando ineficiente por faltar rigor nas punições que previa mesmo em casos explícitos de discriminação racial em locais de trabalho, em estabelecimentos comerciais, em escolas e nos serviços públicos.

Em 1989, o governo José Sarney promulgou a Lei 7716/89, mais conhecida como "Lei Caó". Proposta pelo jornalista, ex-vereador e advogado Carlos Alberto Caó Oliveira dos Santos, essa lei determinou a igualdade racial e o crime de intolerância religiosa.

Apesar de ser menos usada do que deveria, a lei 7716/89 inibiu fortemente o racismo explícito no país por tê-lo tornado inafiançável. Contudo, a leniência da Justiça mesmo com os casos mais graves continua estimulando o racismo aberto em vários setores da sociedade e, sobretudo, em regiões específicas do país – sobretudo no Sul e no Sudeste.

Onde andará o Ministério Público e a mesma Justiça que foi tão ágil em dar permissão aos shoppings para barrarem a entrada daqueles que essa "juventude" chama de "negrada" e de "baianada"? Com a palavra, o doutor Rodrigo Janot, Procurador Geral da República Federativa do Brasil.

*

Veja, abaixo, alguns dos milhares de crimes de racismo que estão sendo cometidos na internet enquanto você lê este texto.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email