Cúpula militar usa caso Silveira para cercar democracia

"Estamos numa sinuca...Para sair dela, é preciso agir com amplitude e firmeza, sem menosprezar a capacidade tática do inimigo", alerta o jornalista

www.brasil247.com - Bolsonaro, ao lado de Braga Netto e comandantes militares durante desfile militar em frente ao Palácio do Planalto
Bolsonaro, ao lado de Braga Netto e comandantes militares durante desfile militar em frente ao Palácio do Planalto (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)


Por Rodrigo Vianna

O cachorro louco que ocupa a presidência da República não agiu sozinho ao "perdoar" o deputado arruaceiro. Os sinais são variados, a começar pelas ações do próprio Daniel Silveira. 

Atordoado e acovardado pela ação que já corriado STF, Silveira estava em silêncio há meses, até iniciar nova escalada de provocações: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- recusou-se a usar tornozeleira;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- acampou no Plenário da Câmara;

- atacou o ministro Alexandre de Moraes na véspera do julgamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ninguém faz isso sem cumplicidade fardada. Da mesma forma, ninguém assina um decreto como este editado por Bolsonaro sem claro aval militar.

O decreto de 2022 segue a trilha do tweet do general Villa Boas em 2018, ao intimidar o STF e barrar Lula na eleição. É o Partido Militar em ação.

O objetivo é mobilizar apoio popular e incentivar ataques físicos ao STF. Se não der certo, o Plano B é manter o impasse entre Judiciário e Executivo, obrigando ação intermediaria via Legislativo, que provavelmente mostrará a maioria do Congresso - dominada por Lira e seus asseclas - alinhada ao fascismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Frente Democratica em torno de Lula deve resistir ao Golpe, defender a Constituição e denunciar ao Mundo a ação golpista do capetão e seus parceiros de farda. Juristas e sociedade devem exigir impeachment do cachorro louco. Ainda que o processo não ande, ele ajuda a mobilizar.

A eleição corre risco. Não podemos esperar até outubro. Brasil talvez precise de um acampamento pela Democracia... 

Mas é importante deixar claro que os democratas vivem um dilema: 

- se não defendermos a Democracia, o capetão avançará no Golpe em câmera lenta;

- se centrarmos toda força na defesa da Democracia, sairemos da pauta da economia...

O partido militar joga bem taticamente... Não é Bolsonaro sozinho, mas a cúpula das Forças Armadas (FFAA).

A reação de Rodrigo Pacheco (correndo pra apoiar o decreto de perdão) indica que a cúpula militar tenta promover um cerco ao STF, cooptando lideranças políticas mais pusilanimes. 

O que Bolsonaro e militares querem é reforçar o discurso de que o "sistema" joga contra a direita. Não devemos cair nessa lógica que só interessa ao capetão.

Hoje, Bolsonaro tem:

- FFAA, Câmara, 35% do eleitorado, boa parte da burguesia de serviços/financeira e a totalidade do agronegócio; 

- os democratas temos STF, parte do Senado,  parcelas minoritárias da burguesia, 45% do eleitorado e uma massa trabalhadora desorganizada pelos anos de caos, desespero e bombardeio lavajatista.

Olhando friamente: nossa melhor chance é ganhar no voto. No combate aberto, no embate de classes e forças por cima e para além da eleição, o capetão e sua horda hoje teriam mais força. 

O drama é que, para garantir a eleição, vamos consumir energias que deveriam ser gastas para mostrar o descalabro econômico do país.

Estamos numa sinuca...

Para sair dela, é preciso agir com amplitude e firmeza, sem menosprezar a capacidade tática do inimigo. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email