Dani Dayan, você não é bem vindo aqui. Game over

Israel ainda não percebeu que a população brasileira é majoritariamente contra as suas agressões aos direitos humanos, políticos, econômicos e sociais do povo palestino?



Em seus seis milhões e meio de habitantes será que Israel não teria ao menos um nome para representar o país no Brasil? 
 
Ao menos um cidadão ou cidadã israelense que não tenha as mãos ensanguentadas na contínua opressão ao povo palestino?
 
Pelo jeito, parece que não.
 
Desde setembro que o governo brasileiro vem protelando a concessão do 'agreement' para que Dani Dayan seja embaixador de Israel no país. E sem o 'agreement' Dayan não será reconhecido como maior autoridade diplomática de seu país no país.
 
É notório o fato de que Dayan foi figura exponencial na luta por estabelecer assentamentos judeus em territórios palestinos, uma forma malévola adicional de perseguição aos palestinos, já não bastassem o uso sistemático de forças militares armadas com mísseis de última geração, drones teleguiados a alvos civis e que têm como adversários civis palestinos desarmados, pior, civis armados com paus e pedras, robustecidos com a imensa força moral que têm os que lutam por causas justas.
 
Na luta contra o poderio israelense contam-se eventuais revides - igualmente criminosos - feitos por facções paramilitares anti-Israel. 
 
Mas os contraataques israelenses no estilo "arrasa-Palestina" são inomináveis em intensidade de destruição massiva - matando milhares de pessoas, destruindo aleatoriamente residências, hospitais, escolas.
 
Israel precisa entender que o Brasil é cioso de sua soberania, tem a defesa dos direitos humanos como um dos pilares de sua política externa e conta com a imensa maioria silenciosa de sua população em favor da criação de um Estado palestino.
 
Há muito o Brasil deixou de se aliar automatica e subalternamente às decisões, políticas e humores dos Estados Unidos, colocando de pé uma política externa admirável, não belicista e de não intromissão em assuntos internos de outros países.
 
A gritaria do governo israelense e o estilo falastrão, petulante e nada diplomático do embaixador que, esperamos, seja sumariamente rejeitado, em nada contribuirão para fazerDani Dayan descer goela abaixo do nosso país.
 
Israel ainda não percebeu que a população brasileira é majoritariamente contra as suas agressões aos direitos humanos, políticos, econômicos e sociais do povo palestino?
 
E tentar constranger o Brasil levando o assunto à imprensa, longe de desgastar o governo Dilma Rousseff, produz exatamente o contrário, pois o fortalece em termos de soberania nacional e em defesa dos povos oprimidos do mundo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email