De guarda baixa com a pandemia em alta

"Sem muito disfarce, o governo Jair Bolsonaro inicia uma nova sequencia ao esforço para enfraquecer resistência de brasileiras e brasileiros ao coronavírus", alerta o jornalista Paulo Moreira Leite

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Paulo Moreira Leite, para o Jornalistas pela Democracia 

Sem muito disfarce, o governo Jair Bolsonaro inicia uma nova sequencia ao esforço para enfraquecer resistência de brasileiras e brasileiros ao coronavírus.

"Brasil reabre sem fazer a lição de casa", denuncia Italo Iamarino, doutor em Ciências pela USP (Folha, 28/5/2020), sintetizado um temor comum a vários estudiosos.

Combinando a pressão de Bolsonaro contra o isolamento e o noticiário de vários países europeus, a desmobilização das quarentenas começa a ser imposta de cima para baixo, em vários pontos do país, inclusive São Paulo, capital e arredores.

Num país onde falecimentos  e contágios continuam em alta, o movimento aponta para mais mortes e mais doentes, num quadro terrível para uma nação que já é a primeira do mundo em óbitos/dia.  

Numa primeira medida, revogou-se uma portaria de março, quando o Estado brasileiro vivia um período de relativa mobilização no combate à pandemia.  Assinada pelos ministros da Saúde da época (Luiz Henrique Mandetta), e da Justiça (Sérgio Moro), a portaria previa  até pena de detenção --  15 dias a um ano -- a quem infringisse determinação do poder público destinada "a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa".

Recém-assinada pelo general Eduardo Panzuela,  da Saúde, e pelo ministro André Mendonça, da Justiça, a revogação equivale a boicote oficializado. Ninguém pode ser importunado pelas autoridades caso resolva descumprir medidas de de proteção em vigor no seu Estado, na sua cidade.  

Outra iniciativa envolve a criminalização dos governos e prefeituras que combatem o coronavírus, em particular na compra de equipementos e insumos importados, empregando a  bandeira da luta anti-corrupção.

Mesmo num governo enrolado em escândalos federais -- pagamento de  fake-news, laranjais do Turismo, milicias de Fabrício Queiroz -- toda investigação sobre corrupção, como ocorreu nesta segunda feira no Rio de Janeiro,  deve ser apoiada.

Em meio a uma pandemia, num ambiente político dilacerado, todo cuidado é pouco -- até porque a necessária investigação de quadrilhas abrigadas à sombra do Estado brasileiro não pode prejudicar a saúde de uma população que nada tem a ver com isso.

Iniciada pelo Rio de Janeiro, a operação "Covidão", como antecipou a deputada Carla Zambelli, uma das estrelas do bolsonarismo, ameaça fazer sua aparição em outros lugares, contribuindo para desmobilizar um esforço necessário para salvar homens e mulheres que tiveram a vida sacrificada sem necessidade.

Alguma dúvida? 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247