De noiva do Aristides a filiação ao PL. O que muda?

"As verdades secretas são inconvenientes, mas dizem respeito ao próprio presidente. O sargento Aristides era instrutor de judô na AMAN, no tempo em que Bolsonaro foi cadete. Assim como Hitler, Bolsonaro tem verdadeira antipatia pela homossexualidade, o que demonstra que seu governo nunca foi inclusivo com os GLBTQI+, mulheres, negros ou índios"

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução/Twitter)


A Nau sem rumo chamada Brasil, ataca novamente. De noiva do Aristides como trend nas redes sociais a filiação ao PL. O que muda para o dia-a-dia de quem é assalariado? A resposta é um retumbante: Nada! A história que bombou a internet sobre o Aristides, começou com o nosso presidente na beira da estrada acenando aos carros que passavam na estrada. Diante de xingamentos diversos, Bolsonaro, que deveria estar ocupado tentando resolver a fome do país, a variante ômicron, economia em colapso; estava tal qual um poste até que uma mulher levantou essa questão e foi presa por esse assunto. Logo, viralizou a informação do que se tratava o nome em questão. Ou seja, Genocida pode, mas noivinha do Aristides não!

A verdade é que o assunto sobre a sexualidade do presidente não é importante para ninguém, apenas a ele mesmo. A irritação de Bolsonaro com o caso, a ponto de mandar prender é a verdadeira notícia. Desde o início do mandato, o presidente já tentou calar, prender ou processar pela União todos aqueles que são contrários ao seu governo. E isso tem nome: Ditadura. As verdades secretas são inconvenientes, mas dizem respeito ao próprio presidente. O sargento Aristides era instrutor de judô na AMAN, no tempo em que Bolsonaro foi cadete. Assim como Hitler, Bolsonaro tem verdadeira antipatia pela homossexualidade, o que demonstra que seu governo nunca foi inclusivo com os GLBTQI+, mulheres, negros ou índios. 

É bem verdade, que Walter Langer, psicanalista americano , escreveu uma análise sobre Hitler, falando que ele era um  homem com tendências homossexuais reprimidas e opinou que era um coprofílico. Porque isso era importante ser mencionado? O regime de Hitler perseguiu os homossexuais; 15 mil foram enviados aos campos de concentração. Hitler descreveu a homossexualidade como imoral e corrupta. Nesse ponto, a sexualidade pode ser influente em uma política de Estado. Referindo-se ao contexto político e acadêmico brasileiro, Fry e MacRae escreveram em 1983: Até mais ou menos 1975, os partidos políticos de oposição consideraram que os movimentos feminista, negro e homossexual eram irrelevantes à luta geral, ou seja, a questão das desigualdades entre classes sociais. O que marca os anos mais recentes destas áreas ditas minoritárias é o fato de elas terem chegado a ser reconhecidas também como “políticas”, a partir de uma visão da sociedade que enxerga o poder não apenas no Estado, mas também na rua, no escritório, no hospital, dentro de casa e na cama [...]. (Fry e MacRae, 1983:117). 

Logo depois, Bolsonaro se refere a sua filiação ao PL como um casamento. Mais uma vez, até na expressão, resolve se apropriar de expressão ligada a conjunção carnal, mesmo que seja uma relação fria. O que na campanha sempre falava mal do Centrão, agora para garantir governabilidade e uma possível reeleição, se alia junto com seus filhos ao Centrão. Numa filiação de interesses, se aliando a Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão, Condenado a prisão e multa de R$ 1,6 milhão, investigado em esquema de fraudes de pareceres de agências reguladoras, delatado na Lava Jato e ainda renunciou ao mandato de deputado para não ser cassado, bradando em seu discurso sobre renovação. E o que significa renovação? Tudo que falou antes da eleição de 2018, fez ao contrário. Renovação só no sentido religioso. No sentido populista. Seria apenas renovação de quadros, para ter um cenário mais seguro para um possível segundo mandato, se houver. 

Nessa Nau sem rumo chamado Brasil, resta-nos anunciar: Recolher a traquineta! Cuidado com a sanfona de Abelardo! Cruzar a Spínola! Domar a espátula! Montar a sirigaita! Senão afundamos de vez e o pior é que nesse caso, o capitão-presidente é o primeiro a deixar o navio!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email