De olhos bem fechados

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Instagram/Cidade de Ilhéus)


A transmissão das imagens impactantes de inundações na Bahia, confrontadas com as fotografias de Jair Bolsonaro, de férias, pescando no litoral de Santa Catarina, chocam o psiquismo dos que hoje vivemos na sociedade brasileira. Presidente não descansa. Poupa-se do trabalho quando o curso da administração caminha bem e pode se dar ao luxo de um mínimo de repouso. Nas tragédias, deve interferir, estar presente, aparecer no meio dos conflitos, por interesse, amor ao próximo e solidariedade. Lembremos que o a Argentina, sensibilizada pela gravidade dos fatos, ofereceu ajuda através de um grupo de especialistas que viriam para assessorar as autoridades. O Itamaraty recusou; a Bahia aceitou, premida pelas dimensões da tragédia e entendendo que todas as forças em acréscimo chegariam em boa hora.

O filme de Kubrick, De olhos bem fechados, de 1999, a partir de uma história do escritor austríaco Arthur Shnitzler, envolve o relacionamento de um casal, entre fantasias e delírios. Por meio dele, entramos numa atmosfera de irrealismo, mesclada a elementos concretos sobre o comportamento de cada um. Nada poderia se revelar mais distante do Brasil. No entanto, através da atual gestão, na qual tudo, literalmente tudo, possui parentesco com o surrealismo, obedecemos a uma linha de reflexão mais saudável do que as circunstâncias na natureza dos fatos. A pescaria no litoral de Santa Catarina conta uma história; a Bahia, sujeita a inundações históricas, narra outra. Os exemplos não se combinam, como se fossem antagônicos. Jair Bolsonaro, cansado, não quer mais saber. Parece um avestruz, enfiando a cabeça na areia, ou na água, para se poupar dos dissabores. Por outro lado, se não ajuda, atrapalha, como é o caso das vacinas para as crianças, numa briga fora de hora com a Anvisa. Esta, seguindo pareceres técnicos, aprovou a medida. O chefe, desconfiado e contrário à ciência, como tem demonstrado, posicionou-se contra. No meio do caminho, novamente, a população, desta feita, as crianças e seus pais que gostariam de vê-las protegidas contra uma enfermidade das mais devastadoras. São pesadelos que não interrompem o sono do mandatário. Ele prefere desafiá-los derrubando-os como castelos de areia, a reconhecer que erra. Em geral, monta numa motocicleta e sai pelas ruas, incomodando moradores e ostentando a arrogância típica dos baderneiros, aos quais, com efeito, pretende organizar e colocar a seu favor. É, como se comentou, surrealismo. No cinema de Kubrick, o filme lança mão de temas que não escapam aos relacionamentos amorosos em suas várias dimensões. Aqui, se ainda se tem como mencionar amor, trata-se de afeto perverso, um tipo de liderança na qual agradaria se perpetuar na dicotomia chicote versus submissão, as armas, os tiros, versus a vitimização de um setor que se rende, magnetizado, se não de olhos abertos, sem dúvida bem fechados, como se não desejasse saber.  Trata-se de um projeto impossível. Mais cedo ou mais tarde, o mundo se levantará e corrigirá os sinais da falta de perspicácia e da ignorância. Em vez de prestígio, colherá decepção. Em vez de sucesso, desencadeará tempestades e espalhará ruínas, na política ou fora dela. Por sorte, ajeitando-se e se organizando na contramão, a sociedade brasileira se declara exausta. Não suporta mais efeitos de marketing. Dados de pesquisas ajudam a esclarecer os encaminhamentos em que, aos poucos, nos posicionamos. Precisamos de alguém que esteja lá, disposto a encontrar soluções. Uma dose de humanismo na Presidência da República - e todos teríamos a ganhar. De olhos bem abertos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email