Democracia enferrujada e ditadura

www.brasil247.com -
(Foto: Mídia Ninja)


Por Valéria Guerra Reiter

Ditar, pronunciaré o significado de DITADURA: são ditames fisiológicos que passam ao largo de considerar qualquer posicionamento democrático. E isso também ocorre no meio democrático representativo enferrujado, já que ao votar, a população oferta um cheque em branco para os representantes, que nem sempre fazem a lição de casa.  

Alguns debates são realizados nas Casas legislativas, como no Senado, por exemplo. Participo vez em quando; porém nem sempre os questionamentos são “direcionados aos debatedores”, que vão de parlamentares a empresários.

Na realidade, o debate público, na maioria das vezes é para “inglês ver”, mas continuar participando é resistir. A ditadura passa pelo fascismo, nazismo, getulismo, imperialismo, morismo, bolsonarismo e etc. Afastar o povo das Instituições, é uma prática que se prolifera, em nome de uma “democracia” enferrujada e falseada (especialmente após o Golpe de 2016). Historicamente, “resistir” já foi sinônimo de tortura e morte. Os últimos acontecimentos de violência contra jornalistas na Itália, demonstram que os ditames truculentos desenrolados, nos fazem lembrar do período de ditatura militar que durou de 1964 a 1985, no Brasil. Vide o assassinato de Wladimir Herzog,  

O trecho a seguir serve de escopo para que vocês leitores entendam que ditar regras neoliberais que subjugam classes: é ato ditatorial e/ou democrático enferrujado recorrente, que inclusive obriga toda uma classe acadêmica a pagar com a vida, para continuar recebendo as migalhas da farsa educacional que vigora na esfera educacional do país: “Os diretores do SEPE iniciaram a reunião mostrando todas as denúncias que chegaram ao sindicato pelos seus diversos canais de comunicação. São vários relatos, vídeos e fotos mostrando aglomerações e a impossibilidade de adequação física da maioria das escolas para o cumprimento de protocolos, visto que o tamanho de salas e refeitórios impossibilita qualquer distanciamento social, bem como a falta de funcionários impede o controle de usos de máscaras”.

A execução de uma vereadora do PSOL, em março de 2018, é um ato que compactua com desmando e crime em um Brasil, que saiu de um momento estável (economicamente) para ingressar em um momento de recessão. Recessão e distopia. Forjaram um novo Brasil ultrarreacionário, que estava latente, e agora conseguiu se proliferar em meio favorável, como bactérias esporuladas, como o Clostridium botulinum (causadora do infame botulismo).

Temos dois brasis, porém aquele que se grafa com z, o Brazil, luta contra o nacionalista Brasil, que foi lacrado em um cárcere com uma máscara de ferro. Só uma resistência reflexiva pode abrir o cadeado bestial para libertar o Brasil.  

JUNTOS VAMOS FAZER UM “BRAZIL”MAIS JUSTO? Ou JUNTOS VAMOS FAZER UM BRASIL MAIS JUSTO?

#LULA2022

#NÃOMORRAPORELES

#LEIABRAZILEVIREBRASIL

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email